Revelando, imortalizando histórias e talentos
31.7.06

Roubos, mendigos e sujeira: Eis a Praça da República


O projeto de reforma da Praça da República foi apresentado. A Prefeitura também pretende instalar câmeras para aumentar a segurança dos artistas e dos paulistanos que circulam pelos locais.


Conhecida internacionalmente pela feirinha de arte e artesanato existente desde 1940 - com os colecionadores - a praça localizada no coração da Cidade de São Paulo, abriga a feira de arte desde a década de 60. Porém, entrou em declínio a partir da década de 1980, e de lá para cá, tornou-se uma espécie de herança maldita para os administradores, que por sua vez abandonam-na. Tanto no entorno quanto em seus canteiros a praça é tomada por personagens burlescos. A promessa da nova administração é de colocar grades não só na Praça da República, mas também na Praça da Sé e na Coronel Fernando Prestes. As obras que vão mudar a paisagem das praças mais famosas da cidade estão previstas para começar em outubro deste ano. Em comum, os projetos de requalificação são o rebaixamentos das bordas dos canteiros, a renovação da iluminação - com melhora da iluminação funcional e instalação de iluminação cenográfica, valorizando as esculturas e a vegetação - e a recuperação do piso das praças. Durante o evento de apresentação dos projetos de reforma, o prefeito José Serra, também fez questão de afirmar mais uma novidade para o Centro: o plano de revitalização que espera sair do papel desde 2000 agora será implantado. O lançamento da licitação para as três obras aconteceu em 21 de julho, e custará aos cofres públicos 3,3 milhões de reais. A estimativa do secretário é de que em outubro, ou no máximo, em novembro as obras sejam iniciadas. Os prazos são técnicos, podendo haver alterações em função do andamento do processo licitatório.

Fechamento da Praça

Na República, a Prefeitura já começou a preparar a área para a intervenção, com grades entorno da praça, visando a segurança das pessoas que transitam pelo local. " São as primeiras intervenções físicas que vamos fazer na região Central e que, seguramente, vão melhorar muito o ambiente para os paulistanos que freqüentam as praças no dia-a-dia e para aqueles que as visitam também", ressaltou Andrea Matarazzo. A reforma trará o traçado original da praça, inclusive o piso em frente ao Colégio Caetano de Campos. Segundo a Assessoria de Imprensa da Regional Sé, as partes descaracterizadas como canteiro central, os lagos farão parte de restauro pois a praça é tombada pelo Patrimônio Histórico. Com a aproximação das obras os artistas que lá expõem estão temerosos quanto à permanência no local. No início cogitou-se a retirada dos mesmo, o que foi descartado pela Assessoria de Imprensa da prefeitura. Ou seja, os artesãos e artistas plásticos permanecerão na praça mesmo com as obras de restauro. Na década de 60 quando os artistas plásticos começaram a expor seus trabalhos, já havia uma indisposição para que não ficássem ali. Expulsos pela polícia várias vezes, mas sempre contaram com o apoio do prefeito da época Faria Lima. O atual gradil no entorno da praça deverá ter função apenas de demarcar os limites, pois já existe uma barreira invisível que fora causada pela falta de segurança. Para se reverter esse quadro formado pelo medo seria necessário a manutenção do que está sendo proposto.


 

www.jornalnovastecnicas.com.br  / http://agenciafm.blogspot.com

 

 

Moradores de rua e personagens


Um dos maiores problemas, depois da violência, são os moradores de rua que insistem em fazer suas necessidade fisiológicas nos canteiros centrais. Por intermédio da Assessoria de Imprensa, a prefeitura reconheceu o grande número de pessoas que tentam montar moradia junto às árvores. Todos os dias a prefeitura envia um caminhão à praça com o intuito de recolher os moradores de rua. Mediante recusa dos mesmos, os funcionários estão instruídos a recolher materiais como caixa de papelão, e madeira, tudo que caracterizem tentativas de estabelecer moradia são retirados, deixando-os apenas com objetos pessoais. Atravessar a praça é um exercício complicado pois precisa-se ter estomago de hiena para suportar tamanho fedor. Um outro problema grave é a falta de sanitários públicos. Na gestão passada alguns boxes funcionavam precariamente, mas houve a necessidade de serem fechados, pois aos poucos estavam sendo destruídos por transeuntes e freqüêntadores. Procurados pela reportagem, a Assessoria de Imprensa da Secretaria de Segurança Pública informou que não existe uma estatística sobre os delitos e crimes cometidos na área física só da Praça, e que os dados são distribuídos por região.


Os indesejáveis


Por algum tempo, na época Mário Covas, especialmente os artistas plásticos e os artesãos foram a favor da colocação de grades de ferro no entorno da República. Defendiam a idéia de que a praça precisava de mais proteção, e que esta poderia ser conseguida através dos futuros portões que seriam fechados durante à noite e abertos durante o dia. Assim, impediriam o fluxo de pedestre, moradores de ruas e personagens indesejáveis à praça, visto que os mesmos não fazem parte do grupo dos freqüentadores ou clientes. O exemplo mais recente é o Parque da Luz, que embora tenha sido apontado com sucesso, não alterou seus freqüentadores, e continua sendo zona do meretrício. A República tem o mesmo problema. Só que os personagens são masculinos, os rapazes de programas que proliferam por toda praça, e que poderiam colaborar com os índices de violência do local também estão na mira da reforma. Mas, a prefeitura afirma que não tem o poder de proíbir às pessoas de permanecerem ou não na praça.


Os freqüentadores da Praça ?


Não há um perfil definido. Desde pedestres que cruzam a praça aos domingos sem a menor intenção de ficar, que encontram algo no meio do caminho e param, olham e se gostam compram. Ou então é àquele morador dos bairros próximos ao centro, o turista estrangeiro que hospeda-se na região central da cidade e que já esta acostumado a esse tipo de evento em seu país. Tem também o " militante " que sempre encontra algum item que condiz com seu estilo e ideologia. Outros freqüentadores são os amigos dos expositores que vêem ao lugar fazer lazer. Deve - se ressaltar que há diferença fundamental entre o público que está na praça nos finais de semana e aquele que passa pela praça nos dias comuns. O primeiro, geralmente, tem como intenção apenas fazer lazer em um espaço público gratuito. Sabe que dá para se divertir aos sábados e domingos. O segundo, tem a praça como " lugar de passagem ", ou seja , a feira que acontece de quarta a sexta-feira não tem um público fixo, e sim um transeunte que está na cidade. [ Agênciafm Francisco Martins ] Reportagem publicada no Jornal Novas Técnicas edição de setembro - nº 15 

Cultura de graça em forma de cursos

 


Espetáculos e eventos, Projetos e Letras em Cena

O projeto LETRAS EM CENA, do jornalista Clóvis Torres, lançado no ano de 2006, promove a leitura de peças teatrais, contos, poesias e cartas.

O evento é apresentado no grande auditório do MASP, e apresenta semanalmente leituras dramáticas que seguirão durante nove meses. Cerca de 400 artistas entre atores, diretores, autores e poetas estão envolvidos. Serão um total de 38 eventos semanais ao longo do ano de 2007. A intenção é promover o hábito da leitura e estimulando novas platéias como estudantes, trabalhadores da região, grupos de alfabetização, de idosos, estudantes de artes dramáticas e, principalmente o público. As leituras acontecem todas as segundas-feiras, às 19:30 horas, com entrada gratuita. Outro fator interessante do evento é a tentaiva de consolidar um verdadeiro e contínuo espaço para que novos autores possam mostrar seus trabalhos, e atores exercitarem seus talentos e demonstrando ao público o processo inicial de uma montagem teatral que é a leitura de mesa. Há debates posteriores às leituras, integrando artistas e público.

Mais informações: www.letrasemcena.art.br
MASP: Av Paulista, 1578

-----------------------------------
Programação de abril de 2007

ANTÔNIO E CLEÓPATRA
De Willian Shakespeare
Com Rosaly Papadopol e convidados

Dia 23 de abril de 2007

AOS OSSOS QUE TANTO DOEM NO INVERNO
De Sérgio Mello
Direção de Soledad Yunge
Com Mário Bortolotto e Nelson Peres

Dia 30 de abril de 2007

ANJO DA GUARDA
De Franz Keppler
Direção de Elias Andreato
Com Elias Andreato e ator convidado

 

ONGs disponibilizam mais de 170 cursos online gratuitos sobre diversos temas do Direito

As ONGs Instituto Nacional de Educação Profissional (Inepro) e Associação Brasileira de Consumidores (ABC) estão disponibilizando gratuitamente uma grande variedade de novos cursos todos os dias através do site do Projeto JurisWay (www.jurisway.org.br) . Em setembro, data oficial do lançamento do site, já contavam com cerca de 100 cursos. Hoje já são mais de 170, versando sobre os mais variados temas das diversas áreas do Direito, como Penal, Trabalhista, Família, Sucessões, Ambiental, Empresarial, Condomínio, Previdenciário, Responsabilidade Civil, Consumidor, Imobiliário, entre outros, além de Português e Desenvolvimento Pessoal. E por serem elaborados com uma linguagem simples e objetiva, os cursos atendem aos interesses não só dos estudantes e profissionais da área jurídica mas também de todos os cidadãos.

Curso capacita técnicos para a prática de atividades físicas dirigidas a pessoas com deficiência auditiva

Este é o 4º módulo do Programa que tem como objetivo oferecer aos profissionais de Educação Física conhecimentos técnicos e práticos a respeito de todos os tipos de deficiência A Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação - Seme e a Secretaria Especial da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida - Seped realizam nos dias 02, 03 e 04 de agosto, das 8 às 12hs, o Curso de Capacitação para Práticas de Educação Física para Pessoas com Deficiência Auditiva dirigido a professores, técnicos, auxiliares e estagiários de Educação Física. São oferecidas 300 vagas e as inscrições já podem ser feitas por memorando encaminhado à Seme-DUED 1 pelo fax 5575-1086. Este é o IV Módulo do Programa que tem como objetivo oferecer conhecimentos técnicos e práticos a respeito de todos os tipos de deficiência (mental, visual, física, auditiva) e suas particularidades, além de Políticas de Inclusão e Estratégias, visando a capacitação dos profissionais de Educação Física para a convivência e desenvolvimento de técnicas e programas de esportes, lazer e recreação para pessoas com deficiência, por meio de uma prática inclusiva.

O Programa tem uma carga horária total de 60 horas, divididas em 12 horas/aula por módulo. Cada módulo conta com uma parte teórica, ministrada nos dois primeiros dias, e a parte prática, que acontece no terceiro dia, no Ginásio do Pacaembu. Os participantes são avaliados e será considerado aprovado quem obtiver o conceito "C" e, no mínimo, 80% de freqüência (por módulo), e ter freqüentado pelo menos três módulos (36 horas). Já foram realizados os módulos relacionados às deficiências visual, mental e física. O módulo IV abordará a deficiência auditiva e o V e último a ser realizado abordará as Políticas de Inclusão e Estratégias.

Nos dias 02 e 03 de agosto, a parte teórica do Curso de Capacitação para Práticas de Educação Física para Pessoas com Deficiência Auditiva será ministrada no Anfiteatro do Hospital do Servidor Público Estadual (Rua Pedro de Toledo, 1800 - 2º andar do Pronto-Socorro). No dia 04 de agosto, a parte prática do curso acontece no Ginásio do Pacaembu, na Rua Capivari - Portão 23.

O curso será ministrado pela Profª Dalva Alves dos Santos Filha. Especialista na área de capacitação, a professora Dalva é graduada em Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mestra em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), pós-graduada em Deficiência Auditiva pelo Instituto Brasileiro de Medicina e Reabilitação (IBMR) e especialista em Deficiência da Audição pelo Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES). Utilizando uma metodologia ativa-participativa, o conteúdo programático será direcionado para instrumentalizar os profissionais envolvidos para que eles possam selecionar e/ou adequar procedimentos didáticos e técnicos para a prática de Educação Física para pessoas com deficiência auditiva (surdez). Na parte teórica serão abordados os temas:

* Processo normal de audição * Características do som * Definição de deficiência auditiva * Causas mais comuns da surdez * Tipos e graus de deficiência auditiva * Interferência da deficiência no processo de comunicação * Formas alternativas de comunicação * Noções básicas de Língua Brasileira de Sinais (Libras) * Atividades físicas: importância, indicações, adaptações, orientações ao professor

Na parte prática do curso de capacitação, serão ministrados:

* Simulação de situações de aula onde não seja possível a comunicação oral * Planejamento e execução de diferentes atividades utilizando as informações recebidas nas aulas teóricas, o material disponível e estratégias de comunicação não-oral.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 5088-6419 (Seme) ou pelo telefone 3113-8776 (Seped). [Ilustrção / sinais Eca/Usp]
FONTE SERVIÇO:
Curso de Capacitação para Práticas de Educação Física para Pessoas com Deficiência Auditiva (Módulo IV)

Datas: dias 02 e 03 de agosto, das 8 às 12hs, no Anfiteatro do Hospital do Servidor Público Estadual (Rua Pedro de Toledo, 1800 - 2º andar do Pronto-Socorro).
dia 04 de agosto, das 08 às 12hs, no Ginásio do Pacaembu, na Rua Capivari - Portão 23.
Assessoria de Comunicação e Imprensa

Secretaria Especial da Pessoa com Deficiência e
Mobilidade Reduzida - Seped

3113-8793/8794
www.prefeitura.sp.gov.br/pessoacomdeficiencia

Para acessá-los, basta entrar no site e acessar o link "Cursos Jurídicos", que fica no menu lateral da página inicial.

É importante frisar que assim como o restante do site, todos os cursos são totalmente gratuitos!

 

EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 14:23  comentar

Julho 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14

16
21

23
24
29

30


SITES INDICADOS
Buscar
 
blogs SAPO