Revelando, imortalizando histórias e talentos
11.6.08

Prêmio Design MCB 22ª edição

 
Prêmio Design MCB abre inscrições no dia 11 de agosto

 

As inscrições para o Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, que neste ano está em sua 22ª edição, abrem no dia 11 de agosto e serão realizadas exclusivamente no site www.mcb.sp.gov.br. A mais tradicional e independente premiação de design do país, patrocinada para Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo e com apoio do Senac São Paulo, recebe inscrições até o dia 1º de setembro e será realizada em duas etapas. “A premiação mantém seus objetivos de reconhecer a excelência no design brasileiro e, desta forma, incentivar seu fortalecimento e disseminação”, diz Miriam Lerner, diretora Geral do MCB.


 

Nesta edição, há várias outras inovações além do processo de inscrição. Haverá oito categorias para produtos e/ou objetos em produção: Mobiliário, Utensílios, Iluminação, Têxteis, Equipamentos Eletroeletrônicos, Equipamentos de Construção, Equipamentos de Transporte, Trabalhos Escritos. Cada uma das categorias, com exceção de Trabalhos Escritos, terá a modalidade Protótipo, reservada a projetos em estágio de mock-up ou de desenvolvimento. Poderão participar da premiação, individualmente ou em grupo, pessoas físicas brasileiras ou estrangeiras, residentes no país há mais de dois anos.

 

O processo de inscrição será feito em duas etapas. A pré-inscrição com primeiras informações vai até 1º de setembro. Após o pagamento do boleto bancário, a ser feito até 3 de setembro, o concorrente conclui a inscrição com todos os dados do produto, também pela internet. O anonimato das peças será absolutamente garantido. O participante pode inscrever seu produto na categoria que desejar, mas a comissão julgadora reserva-se o direito de enquadrar a inscrição em outra categoria; pode também inscrever quantos projetos quiser, em uma ou mais categorias. Cada peça ou trabalho terá um número, ou seja, não é permitido registrar dois ou mais projetos em um mesmo formulário. Será cobrada uma taxa no valor de R$ 50,00 por inscrição.

 

 

A seguir, os critérios do júri: originalidade, concepção formal, inovação tecnológica, adequação ao mercado, viabilidade industrial, qualidade, segurança e proteção ambiental. Em Trabalhos Escritos, serão avaliados originalidade, clareza, objetividade e contribuição ao tema abordado. Cada categoria poderá ter primeiro e segundo lugares. O júri poderá outorgar menções honrosas, destaques e homenagens. Os protótipos só receberão menção honrosa. Serão destinados R$ 50.000,00 para as premiações; o primeiro lugar de cada categoria recebe R$6.250,00.

 

O cartaz vencedor [imagem] do

 

Concurso para o 22º Prêmio Design, criação dos designers gráficos Aline Coutinho de Araújo e Leandro Lopes de Oliveira, de São Paulo, que conquistaram o primeiro lugar entre 454 concorrentes. O júri do concurso foi integrado por Chico Homem de Melo (coordenador), Alécio Rossi, Diana Mindlin, Elaine Ramos, Giovanni Vannucchi, Milton Cipis e Tadeu Costa.


 

 

Calendário


11 de agosto a 1º de setembro – inscrições

3 de outubro - divulgação no site do resultado da primeira fase de seleção do júri.


10, 13 e 14 de outubro - entrega no MCB das peças selecionadas para a segunda fase.


25 de novembro - Resultado final da premiação

2 de dezembro – premiação e abertura da exposição com vencedores e selecionados


18 de janeiro de 2009 – Encerramento da mostra 22º Prêmio Design MCB

 

Museu da Casa Brasileira – Av. Faria Lima, 2705 – Tel. 11 3032-3727 – Jardim Paulistano São Paulo Cep 01451-000 Site: www.mcb.sp.gov.br



 

Informações para a imprensa:

Menezes Comunicação Tel. 11 3815-1243 3815-0381 9983-5946

Contato: Letânia Menezes/Silvana Santana email: menezescom@uol.com.br

 


Menezes Comunicação
Av. Pedroso de Moraes, 631 cj 93
05419-000 - São Paulo - SP
tels. 11 3815-1243/0381 9983-5946
menezescom@uol.com.br
 

 

 

 
Alumni realiza EducationUSAFair com 15 universidades americanas

A Associação Alumni, entidade binacional destinada a promover a integração entre o Brasil e os Estados Unidos por meio de programas educacionais, culturais e de cidadania, realiza a EducationUSAFair no dia 9 de setembro, das 16h30 às 21h, no Hotel Intercontinental, em São Paulo. Durante o evento Thais Burmeister C. Pires, coordenadora do Departamento de Consultas Educacionais da Associação Alumni, fará palestras sobre cursos de inglês e extensão, graduação e pós-graduação. Na USAFair, os estudantes também visitam os estandes para conhecer os programas educacionais de 15 prestigiadas instituições americanas. A entrada é franca e as inscrições já podem ser feitas no site http://www.educationusa.org.br/. Mais informações pelo tel. (11) 3067-2916 ou pelo e-mail
advising@alumni.org.br

Os estudantes terão informações sobre os pré-requisitos de admissão às universidades, como testes, os vários tipos de ajuda financeira e o processo de obtenção do visto. O objetivo é oferecer ao visitante um panorama das possibilidades de estudo superior nos Estados Unidos, desde o curso de inglês até o doutorado. A organização educacional Hobsons também participa da feira.

Universidades e instituições que estarão presentes na EducationUSAFair:
1. University of California Irvine
2. Diablo Valley Community College
3. University of Arkansas
4. Iowa State University
5. University of South Carolina
6. Bryant University
7. University of Miami
8. San Diego State University
9. UC San Diego
10. University of Florida (Florida Intensive English Consortium)
11. Nova Southeastern University
12. University of California Riverside
13. Virginia Commonwealth University
14. New York Film Academy
15. Schiller International University

Serviço:
Evento: EducationUSAFair
Data: 9 de setembro, das 16h30 às 21h Entrada franca
Local: Hotel Intercontinental Al. Santos, 1123 Metrô:Trianon/Masp São Paulo
Informações: Dep. de Consultas Educacionais da Alumni Tel: 11 3067-2916
E-mail: advising@alumni.org.br
Sites:
www.alumni.org.br
http://www.educationusa.org.br/

Informações para a imprensa:
Menezes Comunicação Tel. 11 3815-1243 3815-0381 9983-5946
Contato: Letânia Menezes/Silvana Santana menezescom@uol.com.br
Menezes ComunicaçãoAv. Pedroso de Moraes, 631 cj 9305419-000 - São Paulo - SPtels. 11 3815-1243/0381 9983-5946menezescom@uol.com.br
 
 

30 de Julho de 2008 Sônia Kessar informa: Cursos Globe

 

Sonia Kessar - Assessoria de ImprensaFones - (55) 11 8143-2271 / 8395-2469imprensa@soniakessar.com.br / kessar@terra.com.br / www.soniakessar.com.br
 

Oficina: Fotografia Haicai

 
SESI VILA LEOPOLDINA PROMOVE OFICINA DE FOTOGRAFIA, HAICAI E OUTROS POEMAS Aulas serão ministradas pelo repórter fotográfico João Correia Filho Centro Cultural da unidade. As vagas são limitadas e a participação é franca.
 

Entre 4 e 8 de agosto, das 14 às 17 horas, o SESI Vila Leopoldina oferecerá uma oficina de fotografia, haicai e outros poemas. O programa conta com cinco aulas de três horas de duração cada, num total de 15 horas, incluindo uma saída fotográfica. A oficina faz parte da agenda da entidade em Comemoração ao Centenário da Imigração Japonesa, que ocorre durante todo este ano. O curso visa proporcionar, por meio de poemas japoneses, uma maior compreensão da linguagem fotográfica, suas técnicas (engenharia dos equipamentos), noções básicas de composição e edição de fotos. Procura também, desenvolver, a partir de textos, um trabalho de sensibilização para a imagem e suas inúmeras possibilidades como instrumento de expressão artística.


Durante as aulas teóricas serão estudados poemas de Matsuo Bashô, Paulo Leminsk, Aline Ruiz, Guilherme de Almeida e outros poetas que se dedicaram a este tipo de expressão literária. O programa é voltado a fotógrafos amadores, amantes da literatura, estudantes de jornalismo, letras e afins. Serão oferecidas 15 vagas e os interessados deverão fazer inscrição e levar máquina fotográfica de qualquer marca ou modelo. As aulas serão ministradas pelo repórter fotográfico João Correia Filho que, desde 1993, desenvolve projetos envolvendo literatura, principalmente acerca da obra do escritor João Guimarães Rosa. Atualmente, trabalha como colaborador de várias revistas e jornais no Brasil e no exterior, como National Geographic, Entrelivros (especializada em Literatura), Gula, Sabor, Horizonte Geográfico, Grande Reportagem (Portugal), Estampa e Jornal Valor Econômico.


O que é haicai?

 

O haicai é uma forma extremamente concisa de poesia que "gira" em torno de uma série bem definida de regras, mas nem sempre obedece sua forma original, podendo ser adaptada para diversas circunstâncias. Consiste em 16 sílabas japonesas, divididas em três versos de 5, 7 e 5 sílabas. Faz referência à natureza (diferente da natureza humana) e refere-se a um evento particular atual e não do passado. Trata-se de uma pequena poesia com métrica e molde orientais, surgida no século XVI. É muito difundida no Japão e vem se espalhando por todo o mundo durante este século. Possui uma longa história que retoma a filosofia espiritualista e o simbolismo taoísta dos místicos orientais e mestres Zen-budistas, que expressam muito de seus pensamentos na forma de mitos, símbolos, paradoxos e imagens poéticas. Isto se deve à tentativa de transcender a limitação imposta pela linguagem usual e pensamento linear e científico que tratam a natureza e o próprio ser humano como máquina. O objetivo é capturar a essência do local numa poesia contemplativa e descritiva com grande valorização nos contrastes, na transformação e dinâmica, na cor, nas estações do ano, na união com a natureza, no que é momentâneo versus o que é eterno (ruptura do contínuo) e no elemento de surpresa.


Programação:
Aula I
Conteúdo: Apresentação da oficina;
De uma linguagem para outra – fotografia e literatura;
O haicai como tema;
O que é haicai;
História e técnica de poesia japonesa;
Proximidade de linguagens;
Apresentação de alguns haicais famosos como Paulo Leminsk, Guimarães Rosa e Matsuo Bashô;
Exibição de imagens e distribuição de haicais.
Aula II
Conteúdo: Leitura e análise de haicais;
Idéias para haicais
Técnica fotográfica e haicai: macro, recorte, instante decisivo, linguagem e síntese, descrição e objetividade.
Exibição de imagens.
Exercício – os alunos terão que criar haicais a partir de um sorteio de temas e palavras. Os poemas selecionados serão fotografados.
Aula III
Conteúdo: Distribuição de haicais;
Leitura e análise de poemas;
Técnica fotográfica e haicai: parte pelo todo, descrição, movimento e formas;
Definição de textos a serem fotografados
Aula IV
Saída fotográfica – local a combinar.


Serviço:
Oficina Fotografia, Haicai e outros poemas
Local: Centro Cultural SESI Vila Leopoldina – Rua Carlos Weber, 835 – Vila Leopoldina
Datas e horários: de 4 a 8 de agosto, das 14h às 17 horas.
Vagas: 15 participantes.
Entrada: Franca
Inscrições e informações: pelos telefones (11) 3834-5523 / 3832-1066 ramal 1180 / ou pelo e-mail centroculturalsesi@sesisp.org.br

 

 

 

 

Julho 07, 2008 Syd Field faz workshop na Alumni

 

 
Roteirista Syd Field faz workshop na Alumni para ensinar a escrever roteiros , inscrições até 31 de julho.

Como o roteiro é essencial para a realização de um filme, estudantes de cinema, roteiristas e escritores brasileiros que desejem aprimorar suas habilidades poderão fazer o “Screenwriting Workshop” com Syd Field, autor da clássica cartilha de Hollywood “Manual do Roteiro”. Realizado pela Associação Alumni, entidade binacional destinada a promover a integração entre o Brasil e os Estados Unidos por meio de programas de ensino, cultura e responsabilidade social, o workshop será em inglês, com tradução simultânea. Serão quatro dias de aulas intensivas, no formato de leituras, discussões e exercícios, com os seguintes temas: evolução e revolução do roteiro contemporâneo; criação de histórias e personagens; escrevendo um diálogo efetivo; escrevendo cenas de ação.

Além do “Manual do Roteiro”, referência mundial para roteiristas, Syd Field é autor de vários outros livros, como "Screenplay" e "The Screenwriter Problem Solver", todos publicados no Brasil e considerados bíblias da indústria cinematográfica. Ele preside o Comitê Acadêmico na Associação dos Escritores dos Estados Unidos, e já lecionou em universidades como Harvard, Stanford, UC Berkeley e UCLA. Como consultor, presta serviços para a 20th Century Fox, a Disney Studios, Universal e Tristar Pictures. Foi o primeiro escolhido para a prestigiosa Screenwriting Hall of Fame, da American Sceenwriting Association.

 

Data: de 11 a 14 de agosto, 19h às 22hLocal: Centro Cultural Alumni
Inscrições: de 9 de junho a 31 de julho pelo site http://www.alumni.org.br/
Mais informações: Tel. 11 5644 9733 e-mail: cultural@alumni.org.br
Local: Centro Cultural Alumni – Rua Brasiliense, 65 Chácara Santo Antônio
Acesso a portadores de deficiência física.
Estacionamento com manobrista R$ 12,00

Informações para a imprensa:
Menezes Comunicação Tel. 11 3815-1243 3815-0381 9983-5946
Contato: Letânia Menezes/Silvana Santana menezescom@uol.com.br

 

 

 
 
Seminário Nacional do Teatro do Oprimido recebem inscrições.

Santo André promove, de 26 a 29 de junho, o Seminário Teatro e Transformação Social e o 3º Encontro Nacional de Teatro do Oprimido, com o tema Teatro na periferia. Periferia no Teatro? As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo telefone 4433-0194 ou pelo e-mail arpinto@santoandre.sp.gov.br. Para o primeiro dia de evento, não há necessidade de inscrição prévia. O evento é dirigido a arte-educadores, profissionais e estudantes das áreas de teatro, educação, psicologia e saúde, e a pessoas envolvidas com projetos sociais e organizações de direitos humanos.


 


O objetivo é debater o teatro e a arte-educação que se faz no Brasil e as novas tendências, difundindo-as entre os participantes. O encontro contará com mesas de debates, encontro de diretores, apresentações e um laboratório sobre técnicas de Augusto Boal, desenvolvido por Armindo Rodrigues Pinto, coordenador do GTO em Santo André, para grupos e diretores. Outro destaque será a realização de uma oficina desenvolvida por jovens em situação de risco e que formam o Grupo Revolução Teatral. Entre os debatedores estão José Renato, fundador do Teatro de Arena; Iná Camargo, professora-doutora em Filosofia pela USP; Cesar Vieira, fundador e diretor do União e Olho Vivo, mais antigo grupo teatral popular do Brasil; Bárbara Santos, coordenadora do CTO Rio de Augusto Boal; e Pedro Pontual, reconhecido internacionalmente por seu trabalho voltado para a Participação Popular. O encontro contará ainda com as presenças de espetáculos desenvolvidos pelo MST (Movimento dos Trabalhadores sem Terra), FTO (Fábrica de Teatro do Oprimido de Londrina), GTO da Universidade Federal de Ouro Preto (MG), CAPS de Santa Rita do Passa Quatro-SP, além da participação de diretores de Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo (confira a programação completa abaixo).
Santo André desenvolve há 12 anos o seu Programa de Teatro do Oprimido, que leva a formação cidadã à periferia da cidade, utilizando as técnicas de Augusto Boal e seu Teatro do Oprimido. Desde então, 400 pessoas já passaram por esta experiência e várias secretarias da Prefeitura se utilizam das técnicas. Atualmente, são seis os grupos populares da cidade, que ao lado dos integrantes do programa Agente Jovem, da Secretaria de Inclusão Social, totalizam 100 cidadãos que atuam com o Teatro do Oprimido, além de vários multiplicadores que levam as técnicas e conceitos para suas comunidades. Confira a programação:Dia 26 – Teatro Municipal9h - Apresentação de Teatro do OprimidoEspetáculo: Agente Nóia - O que fazer com o dinheiro? Comprar Droga? Roupa? Celular? Fazer arte resolve a vida de alguém? – Grupo do Projeto Agente Jovem, ligado à Secretaria de Inclusão Social de Santo André, e que é dirigido por adolescentes multiplicadores formados pelo GTO.


 


O texto construído pelo próprio grupo fala dos conflitos do jovem de periferia, com a família, com a escola, e a sociedade como todo, e o refúgio entre os "amigos". 10h - Mesa de debates: Teatro na periferia. Periferia no teatro?Participantes: Pedro Pontual – Diretor do Instituto Polis. Reconhecido internacionalmente pelo seu trabalho voltado para a participação popular; Maria Aparecida da Silva, do Grupo de Teatro Filhos da Mãe Terra, formado por integrantes do Assentamento do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra) de Sarapuí (SP); Douglas Souza Martins, que aos 16 anos é multiplicador das técnicas do Teatro do Oprimido e integrante do Grupo Revolução Teatral de Santo André.


 


12h às 14h – Exibição de vídeos no saguão do Teatro Municipal
14h30 - Apresentação de Teatro do OprimidoEspetáculos: Apresentação do Grupo Caos e Acaso, de Londrina (PR), e Grupo de Segunda, da Universidade Federal de Ouro Preto (MG).
15h30 - Mesa de debates: O Teatro do Oprimido em Santo André e o CTO Rio de Augusto Boal Participantes: Armindo Rodrigues Pinto, coordenador do Programa de Teatro do Oprimido da Prefeitura de Santo André, e Bárbara Santos, coordenadora do CTO Rio.
19h - Espetáculo: Pedras, Sonhos, Nuvens – Grupo Revolução TeatralConstruída a partir das histórias pessoais e familiares, o grupo fala dos sonhos dos jovens da periferia em contraponto com os desejos dos pais. Utilizando o corpo e movimento, sem diálogos, o grupo mostra a pesquisa corporal que se une à sistematização de Augusto Boal.


 


20h - Mesa de debates: O Teatro brasileiro de luta e transformação socialParticipantes: José Renato, fundador do histórico Teatro de Arena; Iná Camargo, professora doutora em Filosofia pela USP, reconhecida por seus conhecimentos e idéias sobre teatro, com vasta obra literária que abrange Brecht, o teatro épico e o teatro popular; César Vieira, fundador e diretor do mais antigo grupo teatral popular do Brasil, o União e Olho Vivo, que já andou por dezenas de países e alcançou 800 mil espectadores; Janeleide Vieira, integrante do Grupo Revolução Teatral e que, aos 17 anos, é multiplicadora das técnicas do Teatro do Oprimido e se especializa em dança contemporânea. Desenvolve seu trabalho no Projeto Agente Jovem.
Dia 27 – Salão Roberto Burle Marx (9º andar do Prédio do Executivo)9h - Espetáculo: Lembranças. Grupo Nunca é Tarde, de Santo AndréO preconceito e os maus-tratos no ambiente familiar. Qual é a saída?
10h às 12h e das 14h às 16h - Seminário: Por que o Teatro do Oprimido? Por que Boal?Troca de experiências, relatos, exercícios, busca de novos caminhos e possibilidades criadas a partir da sistematização de Augusto Boal.Dirigido a diretores, estudiosos e teóricos do Teatro do Oprimido.Participação: Nádia Burk, da FTO (Fábrica de Teatro do Oprimido de Londrina), Anderson Zotesco, do GATO (Grupo Adolescente de Teatro do Oprimido), de São Paulo, Sérgio Audi, do Teatro Coletivo Fábrica São Paulo; Cláudio Rocha, do Pressão no Juízo de Recife; Tristan Pozzo, do Grupo de Segunda da Universidade Federal de Ouro Preto; e Helena Bento, do GTO-Santo André. Também participam representantes do Hospital Psiquiátrico de Santa Rita do Passa Quatro, Teatro do Oprimido dos Operacionais do Cesa Cata Preta (Santo André) e Grupo CPETR (Centro Público de Emprego, Trabalho e Renda) de Santo André. Durante o evento haverá a apresentação do espetáculo Tá barato!, com o Grupo das Baladas, formado por pessoas da terceira idade. Para este evento é necessária a inscrição prévia pelo e mail: arpinto@santoandre.sp.gov.br.
16h - Mesa de debates: O Teatro não-hegemônico, a quem interessa?Participantes: Vitor Santos, jornalista, colaborador da Folha de São Paulo; Joana Lopes, professora da Unicamp e autora do livro Pega Teatro (a confirmar), Chico de Assis, autor e diretor teatral. Dias 28 e 29 de junho – Cesa Cata PretaLaboratório de técnicas de Teatro do Oprimido desenvolvidas pelo GTO Santo AndréNo Cesa Cata Preta, que sedia o Centro de Formação em Teatro do Oprimido, será realizado um laboratório das técnicas desenvolvidos pela prefeitura, com grupos populares e servidores municipais, com Armindo Rodrigues Pinto, coordenador do Programa do Teatro do Oprimido da Prefeitura de Santo André. Para participantes do seminário. São disponibilizadas dez vagas (seleção por carta de intenções para
 


arpinto@santoandre.sp.gov.br). No dia 28, a partir das 10h, haverá apresentação dos grupos CRST e Salada Mista, de Santo André; GATO, de São Paulo, além de Mandinga Teatral e Encenação, de Londrina. [fonte> www.santoandre.sp.gov.br

 

 

 

EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 15:52  comentar

Teresa Salgueiro - fábrica de voz

Sua voz emite o som ideal para se ouvir e os interessados em cantar devem ouvir antes Teresa Salgueiro... e só depois decidir se quer continuar.

A maravilhosa cantora portuguesa Teresa Salgueiro, 39, ex-integrante do cultuado grupo Madredeus empresta-nos sua afinação musical em clássicos da Música Popular Brasileira [MPB]. Salgueiro se apresentou no Teatro Municipal de São Paulo, com um teatro lotado e embriagado pela sua voz. Cantou o repertório de seu segundo disco "Você e Eu" e desfilou sua afinação pelas mais belas composições do cancioneiro brasileiro. Interpretou Vinicius de Moraes, Dorival Caymmi, Ary Barroso, Carlos Lyra e Tom Jobim que nomeia seu disco. Chama atenção a quase ausência da acentuação do idioma português neste seu disco, que é uma homenagem ao idioma português do Brasil. Como ela mesma afirmou, não ouviu muita MPB pois em sua casa não tinha LP´s do gênero. Mas através de rádios tinha acesso a cantores como Caetano Veloso, Gilberto Gil e outros, e só depois foi tomar conhecimento dos discos.

Além de se aproximar da música brasileira, Teresa afirma também que se esforçou para manter a originalidade do idioma " Se cantasse no idioma de Portugal tiraria boa parte da beleza da originalidade musical. As palavras foram feitas para soar de uma forma, tem cor própria", diz Teresa Salgueiro mostrando que além de magnífica cantora é inteligente também. Ela também ficou fascinada com as opções culturais da cidade de São Paulo. Teresa aproveitou para assistir o cantor Jair Rodrigues, no Bar Brahma, visto que dois do casting de músicos que a acompanham tocam com Rodrigues. Não está nos planos da cantora-musa colaborar com seu ex-grupo, o excelente Madredeus. " Estou concentrada no projeto solo. É um momento meu e espero viajar bastante com ele". diz Teresa Salgueiro, que deixou o grupo em novembro de 2007.
 
 
Puccini: 150 anos - Teatro Municipal SÃO PAULO

Teatro Municipal encena duas óperas em homenagem aos 150 anos do compositor italiano, Giacomo Puccini [1858 - 1924]. Primeiramente Madama Butterfly, 21, 23, 25 27 e 29 de agosto. Em outubro, Le Ville. Ambas serão acompanhadas pela Orquestra Experimental de Repertório com o Coral Lírico. A idéia é do maestro Jamil Maluf que encara como um desafio dirigir Madama Butterfly. A direção técnica do espetáculo é de Jorge Takla e cenários e figurinos de Tomie Ohtake.
O cenário tem como base os utilizados em 1980, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, que receberá um tratamento no visual para a montagem paulistana.
A ópera relata o trágico romance entre a gueixa Cio Cio San e um oficial da amrinha norte-americana, Pinkerton. Para o papel título as sopranos Eiko Senda e Laura de Souza se revezarão. O mesmo acontecerá com os tenores, Paul Charles e Marcello Vannucci.

Teatro Municipa de São Paulo
Praça Ramos de Azevedo - s/n - centro.
Horário> 21, 23, 25 e 27 às 2030
R$ 10 a 20,0
Dia 29 às 17h00 - R$ 20 a 40,00
[11] 3337-0300


Sobre Puccini
 
Giacomo Puccini nasceu em Lucca - Itália em 22 de dezembrode 1858, e morreu de câncer na garganta, em Bruxelas, dia 29 de novembro de 1924. Dentre os compositores com óperas mais populares, é o mais novo. Giacomo estudou órgão com o pai até que este morreu, em 1864. Puccini continuou seus estudos de órgão com seu tio, Fortunato Magi, e com Carlo Angeloni. Aos dez anos de idade começou a cantar no coro da igreja. Puccini parecia destinado a seguir a tradição da família e ser um simples músico de igreja, até que um dia, em 1876, aos 18 anos, ele ouviu a Aida de Verdi, que despertou nele um tal fogo, uma tal paixão, que ele percebeu em si mesmo um instinto musical que levava naturalmente à composição de óperas. Conseguiu então uma bolsa de estudos da rainha Margherita e, com um pouco de ajuda financeira do tio, entrou para o Conservatório de Milão, onde foi aluno de Amilcare Ponchielli.
 
Graduou-se em 1883 com o Capriccio Sinfonico, peça que parecia anunciar um compositor de sinfonias tamanho o brilho de sua orquestração. Sua primeira ópera, Le Villi foi composta em 1883 para participar de um concurso. A ópera, Edgar, foi friamente recebida quando estreou no Teatro Scala de Milão na primavera de 1889. Manon Lescaut, Tosca, La Fanciulla del West, La Bohème e outras.
EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 15:50  comentar

Junho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13

15
17
19

22
24
25
26
27
28

29
30


SITES INDICADOS
Buscar
 
blogs SAPO
subscrever feeds