Revelando, imortalizando histórias e talentos
25.11.08

Dezembro 08, 2008 -Amália"

 
Filme sobre Amália Rodrigues estréia após batalha judicial com a família da fadista.

"Amália" filme sobre a vida da maior fadista portuguesa começou a ser exibido em Portugal. A cine-biografia da fadista é uma das produções mais caras do cinema de Portugal RU$ 3 milhões, e estreou em 66 salas, também um recorde para um filme produzido no País. Amália foi descoberta quando vendia frutas no Mercada da Ribeira, Lisboa, ela sempre foi uma personalidade polêmica pois se divorciou em um período onde as portuguesas tinham de pedir autorização ao pai a o marido até para sair do país; escreveu vários poemas para Salazar, ditador português. Com sua influência conseguia tirar amigos políticos feitos prisioneiros pelo regime ditatorial.

A película dá destaque para três momentos de sua vida. Quando tinha 64 anos Amália recebeu o diagnóstico de câncer; e segundo o roteiro ela teria tentado suicídio em um hotel, em Nova Iorque, 1984. Também narra o episódio da revolução de 1974, que foi interrompido por gritos de populares chamando-a de fascista, e depois encerram com um longo aplauso. Outro momento é quando seus pais a deixaram com os avós e imigraram. Para que grande parte da Europa visse a cine-biografia de Amália, foi preciso que os produtores vencessem uma longa batalha jurídica com a família da cantora, que nega a tentativa de suicídio de Amália no hotel em Nova Iorque. Segundo Diogo Varella, neto da cantora Celeste Rodrigues, " transformaram sua vida em uma novela de cordel",diz.

Para interpretar a fadista foi escolhida uma atriz ainda sem muita notoriedade em Portugal, Sandra Barata Belo. Diga-se, sua interpretação está muito soberba. Os fados são cantados através de play-backs remasterizados.

O filme tem direção de Carlos Coelho da Silva, e assistia as performances de Amália Rodrigues pela TV quando criança junto com os pais ao redor da mesa. "Ela sempre exerceu fascínio muito grande", diz Coelho Silva, que usa sua liberdade criativa na película. O filme já foi vendido para 22 países da Europa. As distribuidoras brasileiras se mostram interesse mas até o momento não concretizaram negócio. [foto e leia mais sobre a cantora falecida em 1920 - 1999
topazio1950.blogs.sapo.pt/100358.html ]

Duração: 127 minutos
Cotação> ****
 
 

11/12/2008 - Carga Explosiva 3’

 

 

‘Carga Explosiva 3’ aposta em lutas marciais, explosões e correria. Boa estréia do gênero dessa sexta-feira,12,

A aventura Carga Explosiva 3, criada pelo francês Luc Besson mantém o mesmo modelo dos dois primeiros longas da série: 2002 e 2005. É como se fosse um cruzamento dos filmes de Jason Bourne e James Bond. Besson usa apenas um pouco mais na adrenalina, em carga máxima. Portanto, preparem-se para muitos tiros, correria e fartas explosões.
 
 
Frank Martin é o protagonista [Jason Statham- foto], e tem de fazer uma entrega, embora não saiba ao certo do que se trata. Toda certeza dele é que éle tem um bracelete preso ao seu pulso com um mecanismo que explodirá se ele se distanciar muito de seu carro. No mesmo automóvel esncontra-se a bela Valentina [Natalya Rudakova], que é filha de um ministro ucraniano que está sendo chantageado a assinar certos papéis relacionados a lixo tóxico. Ela também tem um bracelete igualzinho ao de Frank, e quamquer descuido tudo irá pelos ares. Frank tem de levar Valentina de Marselha [França] para Odessa. Tem de aguentar a chatice da 'garota'mimada. A direção é de Olivier Megaton. Confira trailer, fotos e resenha aqui!
 

‘A Lista – Você está Livre Hoje? , Confira outras estréias

 
Cena do filme 'Entre Lençóis': erotismo com atores globais.Fim de semana chega com estréias de cinema que reúnem suspense, comédia, drama e até faroeste. O destaque é ‘A Lista – Você está Livre Hoje?’, com os astros Ewan McGregor e Hugh Jackman. Um executivo de Nova York conhece um mundo diferente do seu, com pessoas ricas, bens caros e mulheres fáceis. Mas tudo muda quando ele se vê envolvido em uma trama de assassinato e intriga.Este suspense com toque erótico encontra claras influências nos filmes de Alfred Hitchcock e na tensão do clássico ‘Instinto
 
Selvagem’ (1992).Erotismo é o que também não falta no nacional ‘Entre Lençóis’, com Reynaldo Gianecchini e Paola Oliveira. Este drama romântico conta a história de um encontro casual entre dois jovens que acaba na cama. A primeira transa acontece e o que se segue é um jogo de mentiras e verdades, sedução e descaso entre os dois, alternando-se os papéis.Se você prefere comédia, a dica é o blockbuster ‘Colegiais em Apuros’, estrelado por Drake Bell, um dos jovens mais promissores de Hollywood (‘Jerry Maguire’, ‘Super-Herói - O Filme’). Três garotos visitam o campus de uma universidade e aprontam de tudo durante o fim de semana.‘Appaloosa – Uma Cidade sem Lei’ é um faroeste dirigido por Ed Harris, que também atua no filme.
 
O enredo parece simples: dois pistoleiros tentam colocar ordem numa cidade que sofre nas mãos de um terrível rancheiro. A produção, contudo, é bem realizada, e recebeu excelentes críticas. O herói desta aventura é Everett Hitch, interpretado por Viggo Mortensen ('O Senhor dos Anéis’).Colin Firth está no drama anglo-americano ‘Quando Você Viu seu Pai Pela Última Vez?’. Aqui, um escritor volta para casa para rever o seu pai, depois de odiá-lo durante grande parte da vida.
 
 
Retrospectiva Carole Lombardi
 
 
Clássicos do cinema com a diva Carole Lombardi a R$1,00
 

Uma das mais emblemáticas atrizes da cena hollywoodiana dos anos 20, se estivesse viva Carole Lombardi teria completado 100 anos em 6 de outubro de 2008. Em homenagem, a Galeria Olido apresenta uma mostra cinematográfica com alguns dos melhores filmes da musa. " Sr e Sra. Smith",1941, um casal descobre que não está oficialmente casado. O marido acha a idéia muito boa e passa a ter relações extraconjugais [recentemente re-filmado com Will Smith e Anjelina Jolie], com direção de Alfred Hitchcock. A Princesa do Brooklin, 1936, Comédia e mistério baseado em caso real. Ser ou Não Ser" 1942, este é um clássico do cineasta Ernst Lubstick, lançado após a morte da atriz, e a história se passa no período da Segunda Guerra Mundial, na Polônia ocupada pelos nazistas onde um grupo de atores impedem que um espião entregue aos alemães informações sobre a resistência polonesa. [Carole Lombardi e Clark Gable]

Serviço:
De: 4 a 12 /12
Horário: 19h00
Valor: R$1,00
Galeria Olido
Avenida São João, 473
Centro - [11] 3331. 8399
 
EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 20:18  comentar

"Cidade da Música" será inaugurada pela metade

 
Projeto cultural saco sem-fundo é inaugurado inacabado e na base do improviso.
 

O ambicioso projeto do arquiteto Francês Christian de Portzampac, para a cidade do Rio de Janeiro será inaugurado nessa quinta-feira,18, com a Orquestra Sinfônica Brasileira. Em terreno de 95,644 mil metros e área construída de 52 mil metros, estacionamento com estacionamento com 738 vagas, sendo em um todo equivalente a dez campos do Maracanã. O projeto já consumiu R$ 518, 4, mi e duração de cinco anos. A Cidade da Música, está localizada na Barra da Tijuca, zona oeste, é a construção mais ambiciosa do Rio de Janeiro dos últimos anos.
 
 
A obra foi criticada durante campanha das eleições municipais por todos os candidatos não somente por sua falta de planejamento mas também pela falta de transparência do dinheiro público. De um outro lado, aplausos da parte daqueles que vislumbram o local como um marco arquitetônico da cidade maravilhosa, mesmo que a construção não tenha nenhuma característica brasileira. Ou seja, não existem referências do país na construção do laureado arquiteto Francês, vencedor do prêmio Pritzker, o Oscar da arquitetura, em 1994. Quanto a demora, segundo o arquiteto ainda pode durar cinco ou seis meses para as finalizações "tudo depende do modo que o Eduardo Paes vai tratar do assunto", diz Portzampac. Paes assume a prefeitura carioca dia 1* de janeiro de 2009. A Cidade da Música foi criada com intuito de abrigar a OSB - Orquestra Sinfônica Brasileira, mas nada ainda é certo que seja abrigada no ambicioso local. Outro fator, são os gastos de manutenção. As fontes patrocinadoras terão custos equivalentes a R$ 10,6 milhões por mês. O metro quadrado custou algo em torno dos R$ 5 mil para "A Casa da Música. "

Espaços
O complexo número 1 abriga a grande sala com 2.738 metros quadrados, e capacidade para 1.800 pessoas, concertos; e para óperas capacidade é de 1.300. Já o complexo número 2 do projeto tem sala de música eletroacústica; sete salas de ensaio; dez salas de aulas. E o n* 3, tem sala para música de câmara com capacidade para 500 pessoas, e também espaço para administração da 'Cidade da Música'. O complexo número 4 oferece três salas de cinemas: uma com capacidade para 300 pessoas e outras duas para 150 espectadores. Um total de 3.080 lugares. Na programação apenas dois eventos: a Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal se apresenta nos dias 21 e 22. E a Orquestra Sinfônica Jovem nos dias 27 e 28 respectivamente em dezembro.

Para se ter noção da grandiosidade do projeto carioca vale observar as medidas das casas de hall sinfônicos pelo mundo e seus gastos quando da construção.

Cidade da Música - Rio de Janeiro - Br
Lugares: 3.080 [R$ 518,4 milhões]
Casa da Música Cidade do Porto - Portugal:
Lugares: 1.588 [R$ 260 milhões]
Valência Opera House - Espanha:
Lugares: 3.900 [312 milhões]
Disney Hall - Los Angeles - EUA
Lugares: 2.265 [480 milhões]
Opera de Pequim: China
Lugares: 5.473 [765 milhões]
Copenhagen Opera House:
Lugares: 1.500 [900 milhões]
Avenida das Américas/Ayrton Senna
Barra da Tijuca - RJ.
 

 

Claude Lévi-Strauss 100 anos

 

 Dono de um sorriso discreto Lévi-Strauss completa 100 anos no dia 28/11/2008. O último dos grandes pensadores vivos, foi o criador de uma 'nova escola antropológica' e responsável por desmontar bases do colonialismo ocidental. Provavelmente foi superado em alguns aspectos mas a virtude é ter sido redescoberto ainda em vida.
 

Claude Lévi-Strauss nasceu em Bruxelas, Bélgica, em 28 de novembro de 1908. Filho de Raymond Lévi-Strauss e Emma Lévi, franceses de origem judaica, mudam-se para Paris em 1909. No ano de 1927 ele se escreveu em direito, mas termina o curso de filosofia na Sorbonne. Em 1932 casa-se com Dina Dreyfuss, e em 1933 foi nomeado diretor do Liceu de Lion. Em fevereiro de 1935, embarca para o Brasil e desembarca em Santos[litoral paulista] e passa a viver em São Paulo, na rua Cincinato Braga, 395. Logo assumiria a cadeira de sociologia na Universidade de São Paulo. Não quis renovar o contrato com a universidade, em 1938, para poder realizar sua longa expedição pelo País, de 1935 a 1938.

Brasil
Lévi-Strauss se interessou pela etnografia através de suas viagens ao Paraná e Goiás, onde travou contato com os índios caingangues e os Carajás respectivamente. Em 1936 vai conhecer as tribos Bororós e Caduevos. Já em 1938, para finalizar sua passagem pelo País, realizaria sua grande expedição ao Mato Grosso, e através do Vale Guaporé chegaria até a Amazônia, até então quase inexplorado no Brasil; e voltaria para França logo após, 1939. Para o antropólogo paisagens não são simplesmente visuais, são objetos multissensoriais: Cheiros, cores, e impressões táteis as compõem. Muitas dessas impressões estão na obra literária ‘Tristes Trópicos’ [1955], uma autobiografia narrativa de sua passagem pelo Brasil e ensaio científico sobre os indígenas. Durante os 4 anos que ficou no Brasil percorreu vasta área territorial em busca de experiências direta com as sociedades indígenas, tendo sido encontros essenciais para a antropologia de Lévi-Strauss, consequentemente a antropologia tout court.
Brasil negou-lhe refúgio
O jovem Lévi-Straus não foi reconhecido de imediato no Brasil, mesmo porque nada havia publicado. Passaria a repercutir apenas a partir dos anos 1960 e 1970, sobretudo com os estudos sobre a sociedade gês do Brasil Central. Hoje, vários centros de antropologia do Brasil, tem no pensamento de Lévi-Strauss: contínuo, vivo e atual no sentido de que continua a gerar questões e abordagens. Foi através de sua erudição monumental que Claude Lévi-Straus inseriu seu pensamento ameríndio no horizonte da filosofia do Ocidente.
Considerado um dos mais importantes intelectuais do século XX e responsável pela revolução na antropologia, fruto do contato com os indígenas brasileiros na década de 1930. Tais contatos serviram para mostrar que o pensamento dos selvagem, ao contrário da sugestão, é ativo sutil e minucioso. Em 1939 volta à França e funda o Museu do Homem com as coleções colhidas no Brasil. Também separa-se de Dina Dreyfuss e em 1945 casa-se com Rosie-Marie Ullmo e nasce o filho Laurent.
Mesmo Lévi-Strauss não tendo se refugiado no Brasil, pois o país negou-lhe o visto em 1940, com o advento da invasão Alemão na França, 1941, sua biografia está ligada ao Brasil. Com a negativa, o antropólogo decide buscar refúgio em Nova Iorque, e retornaria para França em 1947. Tanto o Brasil quanto os Estados Unidos da América, tiveram vital importância na obra de Lévi-Strauss, que sem o apoio do projeto Rockefeller de resgate de intelectualidade na Europa, o antropólogo não tivesse sobrevivido à Segunda Guerra Mundial. Foram suas primeiras publicações sobre os índios brasileiros, em Nova Iorque, que o fizeram notar nos EUA e engajaram para que ele entrasse no rol dos intelectuais a serem 'preservados'. Em 1974 toma posse da Academia Francesa, 27 de junho. E em
1982 aposenta-se do collège de France, e no ano de 1985 retorna ao Brasil, após 46 anos.

Algumas obras
Em 1958 publicou Antropologia Estrutural, dedicada a memória de Émile Durkheim [1858-1917] fundador das ciências sociais.
Publicou me 1962 ‘O Totemismo Homem’ e o ‘Pensamento Selvagem’ este último dedicado à memória do francês Maurice Merlou-Ponty [1908-1961].
De 1964 a 1971, publicou os quatro volumes de "Mitológicas".
No ano de 1973 publicou ‘Antropologia Estrutural 2’.
Em 1993 lançou História de Lince livro em que reviu toda sua obra e faz uma defesa contundente do método que sempre utilizou para analisar os mitos.
1994 publicou 'Saudades do Brasil" com fotografias do interior do Pais feitas em 1935 e 38.
Em 1996 publicou Saudades de São Paulo, com fotos realizadas entre 1935 e 1937.
Em 2008 o antropólogo e documentarista Marcelo Fortaleza Flores realiza documentário Trópico da Saudade recém-apresentado em Paris.

Programação Brasil/França
No dia 27/11, haverá leitura comentada sobre trechos de sua obra no Centro Universitário Maria Antônia [11/3255-7182]. O ciclo se encerra em 11/12, com a preleção da professora de antropologia da Universidade de Chicago, Manuela Carneiro da Cunha [Brasileira].
"O Efeito Lévi-Straus' no Brasil e nos EUA, ocorrerá no Instituto de Estudos Brasileiros [xxx11/3091-3199]
França
Colóquio internacional Claude lévi-Strauss 'un Parcours dans le Siècle [o percurso de um século], organizado pelo Collège de France, Paris, no dia 25 .
O Museu Quai Branly promove dia 28/11, uma jornada dedicada ao antropólogo, com exposição de fotos feitas no Brasil nos anos 1930, e em Bangladesh, além de documentários, peças etnográficas e leituras de trechos de sua obra.
 

Memorial do Artesão Brasileiro, inauguração

 
Memorial do Artesão Brasileiro traz a São Paulo um novo espaço de cultura e lazer
Por Juliana Petrilli – Guia Curso

 
No próximo sábado, 29 de novembro, será inaugurado em São Paulo o MAB, Memorial do Artesão Brasileiro. O coquetel de inauguração que será realizado pela ABAC, Agência Brasileira de Apoio à Cultura, terá início às 15h no espaço Como Assim ?!...Benedito, localizado na Praça Benedito Calixto, em Pinheiros. A idéia é poder reunir peças do artesanato de diferentes épocas e regiões do país em um só lugar, mostrando assim a trajetória do artesão e do artesanato no Brasil.

Vários artistas assinam a exposição de inauguração, Letras, Fios e Idéias, entre eles estão: Wagner Vivan, Benigna Rodrigues da Silva, Annamaria C. Satiro, Edith Puglia Sanchez, Maria Aparecida Aro e Nilda Lourenço. A curadoria do acervo do memorial fica a cargo da ABAC que reunirá as peças no decorrer das mostras e exposições que forem acontecendo no local. O espaço contará também com uma biblioteca aberta para pesquisa e divulgação da arte popular nacional.

O diretor geral do Como Assim ?!... Tedd Albuquerque ressalta que o objetivo é dar grande destaque ao artesanato. Segundo ele, a Praça Benedito Calixto é o lugar ideal para o memorial por ser um polo cultural, ponto de referência intelectual e fazer parte do calendário turístico de São Paulo.
São esperados para a inauguração profissionais e empresários do segmento, representantes do governo de Embu das Artes e órgãos como o Sebrae e Sutaco.
Para mais informações : (11) 3337-2952 ou 3537-9893

 
 

 

EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 20:17  comentar

Teatro Cultura Artística divulga agenda para 2009

 
SÃO PAULO - 01/12 - Apesar de estar sem sede foram anunciadas as atrações do Cultura Artística e renovação de assinaturas.

O teatro divulgou agenda de apresentações para o ano de 2009. A Sala Cultura Artística sofreu incêndio em 2008 e poderá utilizar a Sala São Paulo para os dez concertos anunciados. Para esta temporada atrações como por exemplo Orquestra de Champs Elysées, Orquestra da Suíça Romanda, com regência de Marek Janowski, Quarteto de Cordas Emerson, Orquestra Filarmônica de Israel, regida por Zubin Mehta e, encerrando a temporada Arcadi Volodos [foto], pianista.
A temporada será aberta em abril com a Orquestra Champs Elysées, que tem uma formação bem recente, apenas 17 anos, mas vem sendo bem aceita pela Europa. Essa programação homenageia o compositor Hector Berlioz. As últimas apresentações do programa serão a Camerata Salzburgo, sob regência de Leonida Kavakos, a contralto francesa Nathalie Stutzmann, o pianista russo Arcadi Volodos e no mês de outubro, a Orquestra da Academia de Viena.

Segundo informações, o projeto de reconstrução do Teatro Cultura Artística, está tramitando e dependente do aval do Ministério da Cultura, com base na Lei Rouanet. O novo projeto vai ampliar o número de lugares, de 1.156 para 1.500, um palco maior com fosso e um elevador. Apesar de não está fechado ainda os custos, a re-inauguração está prevista para 2012, quando o teatro completará 100 anos. A parte de restauração plástica, deverá acorrer a partir de janeiro do painel de Di Cavalcanti avariado pelas labaredas. Já a renovação de assinaturas começam na segunda-feira, 1 de dezembro, e novas assinaturas podem ser compradas a partir de 2 de fevereiro de 2009. O teatro original, construído entre 1947 e 1950 pelos arquitetos Rino Levi, Roberto Cerqueira César e Fª Pestalozzi, e pegou fogoem agosto de 2008.
 
Mais informações sobre assinaturas e programação {11} 3258-3344
http://www.culturaartistica.com.br/

Programação - 2009
Orquestra dos Champs Elysées
Dia 27 e 28 de abril
Orquestra da Suiça Romanda
Dia 4 e 5 de maio
Quarteto de Cordas Emerson
Dia 3 e 4 de julho
Orquestra Filarmônica de Israel
Dia 10 e 11 de agosto
Arcadi Volodos
Dia 20 e 21 de outubro
Sala São Paulo:
Av. Júlio Prestes, s/n - centro
[11] 3223-3966
 
QUEEN - DISCO

A banda lançou seu primeiro single " Keep Yourself Alive [Mantenha-se Vivo], em 6 de junho de 1973. 35 anos depois o autor da música, Brian May, volta ao Brasil com o Queen. Segundo May " Ninguém sairá desapontado".

A banda inglesa Queen vem ao Brasil pela terceira vez e vai se apresentar na Via Funchal, em São Paulo, o dias 27 e 28, e na Arena, no Rio de Janeiro, dia 29. Com uma missão impossível, eles convidaram o ex-vocalista do Bad Company, Paul Rodgers, para ocupar o lugar de Freddie Mercury, morto em 24 de novembro de 1991. Após 23 anos das consagradas passagens do grupo pelo Rock in Rio, 1985, e no Estádio do Morumbi, São Paulo -1981, essa turnê mundial faz parte de lançamento do disco The Cosmos Rocks, que marca o retorno do grupo aos estúdios após 13 anos e o primeiro disco depois da morte de Mercury.

O Queen mantém interação com Paul Rodgers há três anos, um veterano do Hard Rock inglês dos 1960 e 70. Encabeçou uma das bandas mais geniais o FREE, e depois Bad Company. Sua relação com os integrantes do Queen começou em 2005 em um show comemorativo onde cantou seu maior sucesso com Free, All Right Now. Os gritos de Rodgers impressionou May, e além disso Paul Rodgers foi inspirador de Freddie Mercury no início da carreira. Desde então, eles já tocaram juntos em shows em Londres e outros países da Europa, e agora na turnê mundial. Segundo May "Ninguém sairá desapontado", ele se refere ao vocalista Paul Rodgers.

The Cosmos Rocks

O disco não é lá muito recomendável para os fãs de carteirinha do grupo. Apesar das guitarras, bateria serem bem tocadas como sempre, e o vocal bem familiar do apreciador de rock, mesmo assim não soa como Queen. Quando se fala de Queen, algo contemporâneo vem à mente. Já The Cosmos Rocks apresenta um pop rock ultrapassado, letras sem muita imaginação. Nos momentos quando o 'novo' Queen faz um rock mais pesado, empolga muito mais um exemplo é a faixa ' Still Burning, a salvação das 14 inéditas. Uma coisa é certa: May não queria um imitador de Freddie Mercury e Rodgers não o imita. Tem muita personalidade. No lançamento mundial do disco, acompanha também um DVD com 1 hora de imagens do show do grupo no Japão, com os grandes sucessos do período Freddie Mercury.

Repertório show
Na set list sucessos do Queen e do Bad Company: Cosmos Rock, Hammer to Fall, Mustapha, I Want to be Free, Another One Bites the Dust, C-Celebrity, Love of my Life, A Night at the Opera, A Kind of Magic, Voodoo, Bad Company, We Believe, Say It's not True, Bijou, Last Horizon, Radio Ga Ga, The Show Must go on, "All Right Now", We Will Rock You, Seagul, Bohemian Rhapsody, God Save the Queen e outros.
 

Renato Borgomoni: além de Santos

 
Músico e compositor de 93 anos lança o primeiro CD. Não é samba paulista e tão pouco carioca. Há um hibridismo na música que ele faz.

O paulista de Guariroba Renato Borgomoni completou 93 anos em outubro e vive em Santos, desde 1935, e lança o seu primeiro CD " Cavalo de Praia Canta Renato Borgomoni". São 17 faixas interpretadas por vários músicos entre eles seu filho Junior Borgomoni. Um show com as composições de Borgomoni pela primeira vez sobe à serra. Duas apresentações, sexta-feira, 28, às 21h30 e sábado,29, às 21h00 no Teatro do Centro da Terra, Rua Piracuama,19 - Sumaré - zona oeste. No CD há composições como "Banho na Minhoca", Se Todo Lugar do Mar Tem Peixe", Peixe de Pobre e No Fluxo e Refluxo". Borgomoni é autodidata e tem um modo diferente de fazer sua canções; letra e música ao mesmo tempo, tudo guardado na cabeça.

As canções passaeiam pelos temas do cotidiano. Algumas falam de futebol, incluindo Pelé, fala do amor ao casamento e da família. Mas sua obra está bem focada ao mar, o tratado da pesca nas ondas ou no porto. Com o lançamento do CD " Cavalo de Praia Canta Renato Borgomoni" será divulgado o documentário "Vou Vender meu Samba, Renato Borgomoni" o primeiro de uma série da Guela Produções, intitulada de Majestade Anônima.

O ex-membro do Partido Comunista, correu muito da polícia por causa de sua opção partidária. Tentou ser jogador de futebol, até chegou a jogar no Jabaquara. A partir daí foi vendedor portuário, sapateiro e aposentou-se como consertador de carga e descarga do porto de Santos. Filho de imigrantes italianos Ele teve influência de seu pai que cantava a ópera La Tarviata, em casa , conta Renato Borgomoni.
EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 20:15  comentar

Pequena notável:derrotada pelas drogas

 
O Repórter Esso, na voz de Heron Domingues, da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, foi o primeiro a noticiar a morte da Pequena Notável. Carmen nunca mais voltaria à terra natal, o que não impediu que a câmara municipal do Marco de Canaveses desse seu nome ao museu municipal. As comemorações de seu centenário inicia-se em 9 /02/2009.

Nascida na freguesia de Várzea da Ovelha e Aliviada, conselho de Marco de Canaveses, em Portugal, Maria do Carmo Miranda da Cunha ou simplesmente Carmen Miranda, apelido que ganhou no Brasil, graças ao gosto que seu pai tinha por óperas. Ela era a segunda filha de José Maria Pinto Cunha, barbeiro, {1887 – 1938} e de Maria Emília Miranda {1886 – 1971}. Seu pai imigrou primeiro para o Brasil e instalou-se no Rio de Janeiro. Em 1910, sua mãe, Maria Emília, acompanhada da filha mais velha, Olinda e de Carmen, que tinha um ano de idade, e viriam se juntar a José Maria esposo e pai respectivamente. José Maria abriu um salão de barbeiro na rua da Misericórdia, 70, em sociedade com um conterrâneo, e a família passou a morar no sobrado acima do salão. E mais tarde mudariam-se para a rua Joaquim Silva, 53, na Lapa. No Brasil nasceram os outros filhos do casal: Amaro - 1911, Cecília -1913-, Aurora -1915 – 2005 e Oscar -1916.
Carmen Miranda fez seus estudos na escola Santa Teresa, na rua da Lapa, 24. Quando tinha 14 anos arranjou seu primeiro emprego, em uma loja especializada em gravatas, e depois em uma chapelaria ganhando 40.000 réis por dia. Cometam que foi demitida por passar a maior parte do tempo cantando. Nesse período, a família Miranda da Cunha sairia da Lapa e iriam residir em um sobrado na Travessa do Comércio, 13. No ano de 1926, Carmen já tentava a carreira de artista, e apareceu em uma fotografia na seção de cinema do jornalista Pedro Lima, da revista Selecta. Então em 1929, foi apresentada ao compositor Josué de Barros que se encantou com seu talento e passou a promovê-la em gravadoras, teatros. Naquele mesmo ano gravaria pela gravadora alemã Brunswick os primeiros discos com ‘Não Vá Sim'bora’, um samba, e o choro ‘Se O Samba é Moda’. Já pela gravadora Victor, gravou ‘Triste Jandaia’ e ‘Dona Balbina’.
O começo da carreira artística
O primeiro sucesso de Carmen Miranda viria em 1930, com a marcha "Pra Você Gostar de Mim" {"Taí"}, de Joubert de Carvalho. Porém, antes do fim do ano, já era apontada pelo jornal O País como a maior cantora brasileira. Em 1933 impulsiona a carreira artística de sua irmã Aurora. No mesmo ano, Carmen assina um contrato de dois anos com a rádio Mayrink Veiga, e ganharia dois contos de réis ao mês. Foi a primeira cantora de rádio a merecer contrato, quando o habitual era o cachê por participação. Em 30 de outubro do de 1930, realiza sua primeira turnê internacional, apresentando-se em Buenos Aires. Ela voltaria à Argentina no ano seguinte, para uma temporada de um mês na Rádio Belgrano.

Carreira cinematográfica no Brasil
Em 20 de janeiro de 1936 estreou no cinema com ‘Alô, Alô Carnaval’, ao lado de sua irmão Aurora, em que aparecem na famosa seqüência em que cantam "Cantoras do Rádio". No mesmo ano, as irmãs passam a integrar o elenco do Cassino da Urca, propriedade de Joaquim Rolla. A partir daí se dividem entre o palco do cassino e excursões freqüentes aos diversos estados brasileiros e à Argentina. Quando de uma apresentação para o astro Tyrone Power, teve a chance de uma carreira nos Estados Unidos. Em pleno ano de 1938, Carmen recebia um salário de 30 contos de réis mensais no Cassino da Urca, logo não sentiu-se atraída pelos EUA. No ano seguinte Shubert aporta no Rio de Janeiro juntamente com a atriz Sonja Henie e assinam contrato com o cassino da Urca, mas ele estava interessado em Carmen, que então assina contrato para atuar nos EUA, mas a cantora fez questão de levar o Bando da Lua para a acompanha-la.

O começo da consagração
Sua consagração começaria em 29 de maio de 1939, quando filmou ‘The Gang's All Here’ e também estrearia na revista "Streets of Paris", em Boston. O êxito de sua estréia fez a imprensa norte-americana se render à sensualidade e ao talento da cantora luso-brasileira. Ao desembarcar em Nova Iorque declarou: "Vocês verão principalmente que sou cantora e tenho ritmo". As participações teatrais de Carmen aumentam a medida em que cresce o seu reconhecimento. Em 5 de março de 1940 se apresenta durante um banquete oferecido ao presidente Franklin Delano Roosevelt, na Casa Branca - Washington. Em 10 de julho retorna ao Brasil, onde é recebida com enorme ovação pela população carioca. Entretanto, na sua apresentação para a cúpula do Estado Novo no Cassino da Urca, ela é apupada pelo grupo germanista do governo, que via em Carmen Miranda uma influência muito "americanizada". Isso lhe magoaria. No mesmo mês gravou seus últimos discos no Brasil, e respondeu com bom humor às acusações de ter esquecido o País. Em 3 de outubro, ela volta aos Estados Unidos da América, e imprime a marca de seus sapatos e mãos na Calçada da Fama do Chinese Theatre, de Los Angeles. Entre os anos de 1942 e 1953 Carmen Miranda atuou em 13 filmes em Hollywood e participou dos mais importantes programas de rádio, televisão, cassinos e casas noturnas e teatros norte-americanos.

Vida amorosa mal sucedida
Ela manteve romances com vários astros de Hollywood como por exemplo os atores John Wayne e Dana Andrews. No fim da Segunda Guerra Mundial, 1946, Carmen é a artista mais bem paga de Hollywood e por conseqüência a mulher que mais paga imposto de renda nos EUA. Em 17 de março de 1947 casou-se com David Sebastian, norte-americano nascido em Detroit a 23 de novembro de 1908, um fracassado funcionário de uma produtora de cinema, e começaria ali a decadência física da notável, inclusive ao álcool, do qual ela também logo se tornaria dependente. O casamento dava sinal de crise logo nos primeiros meses, mas muito católica que era, não aceitava o divórcio. Em 1948 engravida de David, e sofre um aborto espontâneo depois de uma apresentação. Seu vício não pararia somente no álcool, tornaria totalmente dependente de barbitúricos – isso vinha desde o início de sua carreira nos EUA. Carmen Miranda adquiria as drogas com receitas obtidas legalmente e não percebia os seus efeitos, e usava em quantidades cada vez maiores. O passo seguinte seria potencializar-se como usuária de tabaco e álcool e das drogas.

A morte nos EUA
Em 3 de dezembro de 1954, após uma ausência de 14 anos ela retorna ao Brasil, e está sofrendo os efeitos da dependência química. É internada em uma suíte do Copacabana Palace Hotel, onde fica quatro meses. O seu médico brasileiro constata a dependência química e tenta desintoxicá-la. Ela melhora, porém não abandonou completamente os remédios, o álcool e o cigarro. Ligeiramente recuperada, Carmen retorna para os EUA em 4 de abril de 1955. Imediatamente volta às apresentações. Faz uma turnê por Las Vegas e Cuba entre nos meses de maio e agosto, e volta a fazer uso dos barbitúrico. No início de agosto, ao gravar uma participação especial no programa televisivo do comediante Jimmy Durante, um número de dança sofre um ligeiro desmaio e desequilibra-se e cai, amparada por Durante. Recupera-se e termina o número. Na mesma noite, recebe amigos em sua residência em Beverly Hills, à Bedford Drive, 616. Por volta das duas da manhã, após beber e cantar algumas canções para os amigos presentes, ela sobe para seu quarto, acende um cigarro e começa a se preparar para dormir. Retira a maquiagem, veste um robe e caminha rumo à cama com um pequeno espelho à mão. Um colapso cardíaco fulminante derrubou Carmen Miranda, que caiu morta sobre o chão. Seu corpo foi encontrado pela empregada na mesma noite do dia 5 de agosto de 1955. Tinha 46 anos.

Em 12 de agosto de 1955 seu corpo embalsamado desembarcou de um avião no Rio de Janeiro, e 60 mil pessoas compareceram ao seu velório, realizado no saguão da Câmara Municipal, e dali o cortejo seguiria para o Cemitério São João Batista, e acompanhado por cerca de meio milhão de pessoas que cantavam esporadicamente sua canção 'Taí". No ano seguinte, o prefeito do Rio de Janeiro - capital do Brasil na época -, Francisco Negrão de Lima assinou decreto que criava o Museu Carmen Miranda, inaugurado em 1976 no Aterro do Flamengo. Em 9 de fevereiro de 2009 comemoram-se os 100 anos de seu nascimento. [Fausto Visconde / Francisco Martins –
agenciafm@gmail.com ]
 
EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 20:13  comentar

Novembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
15

16
18
19
20
21
22

23
24
26
28

30


SITES INDICADOS
Buscar
 
blogs SAPO
subscrever feeds