Revelando, imortalizando histórias e talentos
27.11.08

‘Vem Comigo”: Goulart de Andrade 50 anos

 
Luís Filipe Goulart de Andrade nasceu no dia 6 de abril de 1934, no Rio de Janeiro. Filho da cantora Elisinha Coelho, Goulart de Andrade iniciou sua carreira na antiga TV Rio, em 1955, no programa Preto no branco. Tem uma bela trajetória, mas lançou na TV gente do tipo de Fausto Silva.
 

Jornalista e apresentador de televisão é um dos poucos de sua talentosa geração que está vivo. Pioneiro da televisão brasileira, produziu e dirigiu os mais variados programas praticamente em todas as emissoras brasileiras. Como produtor seu maior destaque foi, Brasil 63, de Bibi Ferreira, na TV Excelsior. Também participou das fases iniciais do Fantástico e do Globo Repórter, na década de 70. Em 1978 ele criou o Plantão da Madrugada, na Rede Globo. Após se desligar da emissora, o recriaria e seria exibido em várias emissoras, com o nome de Comando da Madrugada – e logo rebatizado de Comando da Noite, devido à mudança de horário em 2007, cujo programa tem o formato em que mescla entrevistas e reportagens, atualmente exibido pela Record News com o nome Programa Goulart de Andrade.

Através da Produtora Goulart de Andrade, também criaria outros programas de reportagens como 23ª Hora – TV Gazeta, 1980/82, Eu Sou o Repórter, SBT, 1988/89 e também a fase inicial do Repórter Record de 1999 a 2001. Em 2008, iniciou o "Programa Goulart de Andrade" na Record News, um programa que documenta regiões e situações, além de entrevistar pessoas influentes em determinadas áreas. No momento está envolvido em mais um projeto pioneiro, como sempre, ‘Goulart de Andrade’ entrevista Goulart de Andrade. O formato consiste em uma análise de suas reportagens onde ele faz perguntas para se próprio e as responde também.

Polêmicas

É o maior jornalista do gênero. Suas matérias transitam entre o hilário e, principalmente a polêmico. Muitas vezes, a crítica televisiva considera que Goulart 'carrega nas tintas' demais em suas reportagens. Uma de suas reportagens mais polêmicas por exemplo é a filmagem da autópsia de Paulo César Farias, o tesoureiro do ex-presidente Fernando Collor, assassinado em circunstâncias misteriosas em junho de 1996. Goulart exibiu trechos da autópsia em seu programa, então na Rede Manchete. Mas ele serviu também de notícia. Ao entrevistas o Dr. Zerbini, ele se queixou de uma dor no estômago. Então, o Dr. Zerbini lhe disse: muita gente confunde estômago com coração, você me permite examina-lo ! perguntou Dr. Zerbini. Então Goulart de Andrade filmou juntamente com a equipe de Zerbini toda sua cirurgia do coração, que foi providencial. Este ano, jornalista e apresentador completou 50 anos de contribuição para imprensa brasileira. {Goulart de Andrade na foto com o colega Francisco Martins }
 
EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 15:07  comentar

O BMW para pobre, como era chamado, foi o primeiro carro a permitir aos alemães a liberdade de viajar pelo próprio país.

No ano de 1955, vários foram os acontecimentos importantes como a volta para casa dos 9.626 prisioneiros de guerra alemães que estavam na extinta União Soviética, e até a morte de James Dean. Movidos por estes acontecimentos, os alemães passaram a sentir a necessidade de ter seu próprio veículo e a vislumbrar a sensação de liberdade de viajar por seu próprio país, eram a tônica da época. Foi pensando nisso que os 12. 911 primeiros donos do novo BMW, o primeiro para os pobres, estavam tão felizes. O Isetta era uma espécie de " motocupê " em forma de ovo, nada muito especial, e oferecia lugar somente para duas pessoas e meia, motor traseiro de 12 cv de potência e uma única porta localizada na frente, o que faz com que nenhum BMW antes ou depois seria tão inconfundível. Com esta proposta, a montadora tinha a solução ideal para o problema de mobilidade de todos os que precisavam de um veículo ágil, de baixo custo e quase sem nenhum problema para estacionar. O " motocupê ", além de suas qualidades técnicas, se destacava por seu baixo preço: 2 550 marcos alemães. Naquele ano, um trabalhador médio alemão tinha como renda semanal 90 DM. O seguro contra terceiros obrigatório era de 95 DM e os impostos do carro eram de 44 marcos por ano. "Menos do que o município cobra para você ter um cachorro", assegurava a publicidade da BMW naquela época. O fato é que o BMW Isetta fez parte do cotidiano do povo alemão até os anos 60 e era o automóvel mais querido e utilizado para as pequenas viagens, sua velocidade final era de 85 km/h.


 

 Sua chegada na Alemanha se deve a uma visita de um concessionário da BMW no Salão de Genebra, 1954 - que se encantou com o modelo e percebeu as possibilidades que ele representava para a montadora. Por sugestão deste representante, a empresa alemã comprou a licença Isetta do fabricante italiano. Isso para que pudesse ser iniciada sua fabricação na Alemanha; aperfeiçoou a transmissão, substituiu o motor por outros monociclíndrico já reconhecido por seu bom rendimento em motocicletas, deu um novo visual à carroceria e no período de um ano fez o lançmento oficial do automóvel no mercado alemão. Vendido nos Estados Unidos e na Europa, o pequeno veículo, não só conquistara o mercado interno como também o externo. Mostrando que necessáriamente tamanho não é documento, o veículo chegou a posar inclusive junto com o mais popular cantor de época, Elvis Presley. Passado todo o sucesso do lançamento em 1955, no ano seguinte viu sua " família " ser ampliada, além do Isetta com motor 250 cc, foi construída uma nova versão de 300 cc e 13 cv de potência. Além disso, oferecia uma série de equipamentos opcionais, dentre eles, teto removível e volante do lado direito.

O último Isetta fabricado

No ano de 1962, o " ovomóve l" - como fora apelidado carinhosamente, com o último Isetta fabricado, chega o fim de uma era mas não o fim de uma história. Esse modelo de 1962 tornou-se o de maior êxito em sua categoria na Alemanha. Para se ter uma idéia, em 1957, o ano de seu maior sucesso, a marca chegou a vender 40 000 unidades, a partir daí começou o seu declínio, o mercado começa a necessitar de carros pequenos, mas com capacidade para quatro pessoas, em substituição aos microcarros. A BMW não quis ficar atrás e lança o Isetta 600 com motor de 2 cc tipo Boxer. Porém, os tempos eram outros e os modelos já não emplacavam do mesmo modo que nos anos anteriores. Até que em 1962 a produção do BMW Isetta chegou ao fim, mas alcança à marca de 161. 728 veículos vendidos em todo o mundo. Assim, dava asas aos colecionadores e aficcionados pela história do antigomobilismo que jamais o esqueceram.


formasemeios@ig.com.br

EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 15:03  comentar

GRAND TORINO: LENDA SOBRE RODAS

A indústria norte-americana sempre produziu carros com motor de grande capacidade volumétrica.
 
 

 
Os muscle car [carros musculosos] estão no imaginário dos amantes da velocidade. Uma lenda sobre quatro rodas está de volta: O Grand Torino. Imortalizado no seriado televisivo Starsky&Hutch, nas dácadas de 70 e 80, o carro estréa na telona para delírio dos aficcionados do antigomobilismo. As aventuras do detetive Dave Starsky no " tomate vermelho " nome pelo qual o modelo com faixas brancas ficara conhecido encantou muita gente, até mesmo quem não coleciona as raridades. Das mil unidades produzidas em 1976, 9 foram utilizadas nas filmagens do longa-metragem.
 
O ÍCONE
 
Em 1968, o sedã Fairlane ganhou toques sofisticados e fora rebatizado de Fairlane Torino. Com motor V8, 302 quadrijet e câmbio automático de três marchas. No ano seguinte, com potente motor "big-block" 428 de 335 cv de potência, 45 kgmf de torque foi apresentado o modelo cobra, que ia de 0.60 em 5.5 segundos. No ano de 1970 - reestilizado-, ficando maior, mais largo e baixo.  Porém, em 1971 o Torino adqüriu identidade própria e retirou o nome Fairlane e oferecia carrocerias [hardtop e fastback] e quatro portas, e também as versões Station Wagon, conversível e da pick-up Ranchero. Logo, em 1973, o carro conseguiria notoriedade internacional devido sua aparição no seriado de TV " Starsky&Hutch. O Grand Torino tem menos de dez unidades rodando no Páis. O enorme carro V8 foi produzido de 1968 à 1976. [ Francisco Martins ]
EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 15:02  comentar

A exposição José Saramago ‘ A Consistência dos Sonhos’ apresenta objetos pessoais e manuscritos do escritor.

 

A mostra teve origem em projeto realizado pela Fundação César Manrique (FCM), de Lanzarote, Canárias, que pretende dar visibilidade ao escritor português agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura em 1998. A exposição esteve na Galeria de Pintura do Rei D. Luís I, no Palácio Nacional da Ajuda, de 24 de Abril a 27 de Julho de 2008, em Portugal. Agora, por ocasião do lançamento de seu mais recente livro “A Viagem do Elefante” é trazida ao Brasil, no Instituto Tomie Ohtake. O resultado da exposição é uma vasta investigação de Fernando Gómez Aguilera {FCM}, e está organizada por ordem cronológica de modo a exibir vasto conjunto de documentos inéditos de José Saramago e ainda conta com um forte componente multimídia. Em tese, a organização da mostra é feita em três núcleos: obra literária de Saramago; Militância, compromisso público e Prêmio Nobel.

 

Cadernos de notas, notícias impressas das suas obras integram a mostra. São apresentadas mais de 200 objetos como traduções das suas obras - em mais de 30 línguas, audiovisuais que projetam imagens da cerimônia da entrega do Prêmio Nobel, os atos protocolares, fotografias e também o discurso do escritor. A recriação do seu escritório de trabalho, com a sua mesa e cadeira, a máquina de escrever Hermes que utilizou desde os anos sessenta até 1989, e outros objetos pessoais.



Serviço

A Consistência dos Sonhos

 Instituto Tomie Ohtake

 De 3* a dom das 11h00 às 20h00

 Avenida Faria Lima, 201 – Pinheiros

 [11] 2245-1900}

 Até 15/2/2009 - Grátis

 

Veja notícia também no IG http://minhanoticia.ig.com.br/editoria/Cultura_

Diversao/2008/11/27/exposicao_sobre_jose_saramago_

entra_em_cartaz_em_sao_paulo_3093853.html

 

Francês que gosta de copiar, está aqui no Brasil

 
Michel Gondry aporta no Brasil com sua instalação Rebobine, Por Favor. O filme apresenta personagens que gostam de filmar blockbusters em versão caseira e a idéia poderá ser experimentada pelos visitantes da exposição, no MIS. A mostra já foi apresentada em Nova Iorque com razoável visitação.
 

O cineasta da geração vídeo clipe é considerado como um dos mais criativo, só não citam quem o é mais ou menos criativo do que ele. Ele estará presente quando da abertura para convidados, sexta-feira, 28/11, no Museu da Imagem e do Som, São Paulo. A mostra tem o mesmo títulos de seu filme com pré-estréia nessa sexta-feira, e estréia nos cinemas dia 12 de dezembro. O longa tem como tema as filmagens amadoras utilizando filmes famosos e feita em versão caseira. No elenco Mos Def e Jack Black. Durante a mostra o visitante poderá fazer seus próprios filmes.

Como se percebe, tudo de Gondry gira em torno do livro Rebobine, por Favor lançado na França, cuja idéia seria criar conexões entre comunidades diferentes a partir da produção filmes amadores, uma utopia do cineasta que vem desde sua adolescência em Paris. O cineasta recicla blockbusters do cinema norte-americano, mas disse que poderia fazer isso aqui no Brasil também pois tem uma lista dos filmes mais alugados no Brasil. Entretanto, ele usou o seguinte critério para criar Rebobine, Por Favor [filme e exposição] pouco planejamento e os filmes que surgiam na sua mente, mas , usando apenas filmes em VHS entre eles Os Caça-Fantasmas, Conduzindo Miss Daisy, algo bem voltado aos anos 1980, daí o título do filme e da exposição.

Workshops
Durante a mostra o visitante poderá fazer seu próprio filme, interagindo com 13 cenários criados por Gondry para a exposição. Para participar é preciso um pré-cadastro no site www.rebobineporfavorexposicao.com.br . Lá tem um monte idéias criadas por ele cuja inteção é ter o mesmo número de gente criando e assistindo ao filme, e observar como as pessoas se comportam como atores e audiência. Ainda há workshops realizado por monitores treinados por Michel Gondry.

Perfil
Nasceu em 8 de maio de 1963, em Versalhes, França. Ganhou vários prêmios entre os quais o Oscar por roteiro original por "Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças", 2004. Para o cinema realizou os seguintes filmes: A Natureza Quase Humana, 2001, "Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças", 2004, "Dave Chapelle' Block Party - 2005, e "Sonhando Acordado" 2006.

Video clipes
Human Behaviour -pra Björk.
Atound the Wolrd - Daft Punk
Knives Out - Radiohead
Let Forever Be - The Chemical Brothers

Serviço
Rebobine, Por Favor
MIS - Avenida Europa, 158
[11] 2117-4777
Terça a sáb das 12h00 às 21h00
Dom - 11h00 às 20h00
Até 11/01/2009 - GRÁTIS
  

Antônio Bandeira - MAC - USP

 
Panorâmica sobre obra do pintor apresenta esboços, desenhos e telas menos conhecidas , e mais se compara a um ensaio por seu caráter didático.
 

Mostra dedicada ao pintor cearense Antônio Bandeira, no MAC, traça uma panorâmica sobre seu trabalho e seus aspectos mais íntimo. Não espere ver aquele Bandeira com cores fortes. A mostra tem como objetivo apresentar os aspectos de trabalhos menos conhecidos. A exposição pode ser analisada como um ensaio, pois há um caráter bem didático que combina com o perfil do Museu de Arte Contemporânea.
São dezenas de pequenos desenhos, pinturas e 30 esboços lado a lado, o que ajudam ao espectador entender melhor o processo criativo do pintor. Aliás, o título 'Desconfiguração' é o aspecto central da mostra, uma defesa clara de que o artista não trabalha com conceitos abstratos, mas sim, abstrai, desconstrói o real e o tangível. Os curadores da mostra escreveram, ele trabalha 'indiscutivelmente com fragmentos da memória". Telas como 'Bicho', 1967, Mulher Sentada',1945, deixa sublinhado que o pintor via na repetição disciplina, ou seja, o retorno à mesma imagem em busca da configuração da sua arte. As figuras disformes de membros agigantados, remetem a celebres figuras antropofágicas. Todas as obras em exposição pertencem ao acervo do Centro Dragão do Mar, de Fortaleza, e a curadoria é de Roberto Galvão e José Guedes. Bandeira nasceu em 1922 3 faleceu em 1967. [Foto: Dragão do Mar] [Notícias relacionadas > EDITORIAS: artes plásticas

Antônio Bandeira - MAC - USP
Rua da Reitoria, 160 - Cidade Universitária
São Paulo- [11] 3091-3039
Ter. a Sex. das 10h00 às 18h00
Sá. dom. das 10h00 às 16h00.
Grátis - Até 25/01/2009
 
 

 

EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 14:59  comentar

Novembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
15

16
18
19
20
21
22

23
24
26
28

30


SITES INDICADOS
Buscar
 
blogs SAPO
subscrever feeds