Revelando, imortalizando histórias e talentos
10.5.09

O Primo Basílio – o Musical estreia dia 5 de junho em São Paulo


Estreia dia 5 de junho de 2009, no Teatro Brigadeiro (Av. Brigadeiro Luís Antonio, nº 884, Bela Vista, São Paulo), O Primo Basílio – o Musical. De Eça de Queiróz, dirigido por Dan Rosseto e adaptado por Francisca Braga, o espetáculo tem direção musical de Dyonisio Moreno e produção de Lígia Paula Machado. O Primo Basílio – o Musical conta com patrocínio do Bradesco e está sendo realizado por intermédio da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Rouanet). A temporada vai até 6 de setembro de 2009.

O Primo Basílio é uma das maiores obras literárias de língua portuguesa, agora ineditamente adaptado para musical pela escritora carioca Francisca Braga. Escrito em 1878 pelo português Eça de Queiróz, o livro aborda romance, disputa e traição. Nessa versão de Braga, a história se passa no Rio de Janeiro, entre 1959 e 1961. O musical tem em seu elenco onze atores, seis músicos, cantores e bailarinos que inspirados no movimento musical Bossa Nova, desfiam canções de gêneros como MPB, valsa, samba de breque e tango. Os instrumentos utilizados pelos músicos vão do piano de cauda, violões, violino e flauta transversal passando pelo sax percussão.
 
O figurino, de época, é assinado por Taeko Tamai com consultoria de moda de Karen Albuquerque, a iluminação tem Cizo de Souza na criação e as coreografias são de Ivan Silva. Com apenas 22 anos, Lígia Paula Machado empenha suas habilidades de atriz, bailarina e coreógrafa para protagonizar Luisa, a maior pecadora da galeria de mulheres de Eça.

Sinopse

Uma história de amor e traição em que Luisa é uma jovem romântica, casada com o conceituado engenheiro Jorge. Sua vida muda quando ela reencontra o primo Basílio, um jovem sedutor, sua antiga paixão, que volta ao Brasil após anos no exterior.

A obra literária

O Primo Basílio é uma obra de Eça de Queiróz, escrita e publicada no ano de 1878. Escritor realista nascido em Portugal, o autor critica por meio desse livro o ambiente social da média burguesia de Lisboa e faz, também, sua análise ao Romantismo. Os personagens principais são Luisa, mulher incapaz de separar a realidade da fantasia, sonha com aventuras amorosas e viagens a lugares escritos nos romances que lia. Deixa-se seduzir por seu primo e acredita estar vivendo um grande amor. Basílio, o primo, é um homem vaidoso, exibicionista, que se aproveita da ingenuidade da prima para convencê-la a trair o esposo. Jorge, marido de Luisa, é o oposto de Basílio, sério, caseiro e muito apaixonado por Luisa. Juliana, a criada da casa, carrega muito ódio dentro de si por ser pobre e infeliz. É invejosa, revoltada, vingativa e ambiciosa. Com outros personagens na trama, Eça de Queiróz constrói um romance que tem como tema central o adultério e, a partir daí, desencadeiam-se outros: o conflito entre realidade e fantasia (Luisa), vaidade, hipocrisia e cosmopolitismo (Basílio), futilidade (Leopoldina), superficialidade da religião (D.Felicidade), casamento por interesse (Leopoldina) e a luta de classes (Luisa e Juliana).

A direção/montagem

Pela primeira vez esta obra literária é transposta para o formato musical, unindo interpretação, música e dança numa adaptação de grande porte. Com um elenco originalmente vindo do meio teatral para interpretar personagens ecianos tão intensos, o diretor Dan Rosseto centrou forças na preparação corporal e vocal durante três meses para apurar o conjunto de atores. Nessa empreitada teve auxílio de Paula Capovilla (preparadora vocal), Ivan Silva (coreógrafo) e Dyonisio Moreno (arranjos e direção musical). Dan Rosseto é diretor e ator formado pelo Studio Fátima Toledo e graduado em Comunicação Social e pós-graduado em Crítica de Arte. Na direção, destacam-se trabalhos como "Quando as Máquinas Param" de Plínio Marcos, "O Colecionador" de Mark Healy, "Dois Irmãos" de Fausto Paravidino, entre outros. Para o ano de 2010 Rosseto prepara a montagem do musical "Clara Nunes - Guerreira" contando a vida e carreira da cantora. Como ator esteve nos espetáculos "Imperador e Galileu" de Henrik Ibsen (ao lado de Caco Ciocler), "O Beijo no Asfalto" de Nelson Rodrigues, "Ponto de Partida" de Gianfrancesco Guarnieri, "Mão na Luva" de Oduvaldo Vianna Filho, entre outros. Além disso, acumula trabalhos em duas novelas, comerciais de televisão, documentários e filmes de média e curta metragem.

Ficha Técnica

"O PRIMO BASILIO - O MUSICAL"

AUTOR Eça de Queiróz ADAPTAÇÃO Francisca Braga DIREÇÃO GERAL Dan Rosseto DIREÇÃO MUSICAL Dyonisio Moreno ILUMINAÇÃO Cizo de Souza COREOGRAFIAS Ivan Silva PREPARAÇÃO VOCAL Paula Capovilla ASSISTENTE DE PRODUÇÃO Luiz Henrique Leão FIGURINOS Taeko Tamai CONSULTORIA DE FIGURINO Karen Albuquerque CENOGRAFIA Fábio Blanes CENOTÉCNICO Koiti Nakamura FOTOS Ricardo Peres CAMAREIRA Rose Matos DESIGNER GRÁFICO Luiz Henrique Leão VISAGISTA Eduardo Hyde
PRODUÇÃO Ligia Paula Machado
 
 
PERSONAGENS
 
 
ELENCO: BASILIO Luiz Araújo LUISA Ligia Paula Machado JORGE Álvaro Franco JULIANA Isadora Ferrite LEOPOLDINA Erika Altimeyer JOANA Joice Jane Teixeira SEBASTIAO Gustavo Penna ERNESTINHO Jonatan Motta D. FELICIDADE Márcia Henrique DR. ACÁCIO/CASTRO Ivan Kraut EMILINHA Priscila Marques

MÚSICOS Daniel Farina Moreno (violão), João Paulo Pardal (violão), Otávio Colella (violino), Maristela Silvério Neves (piano), Renan Cacossi (sax – flauta transversal), Jonatan Motta (violino).

Serviço

Av. Brigadeiro Luís Antonio, nº 884, Bela Vista, São Paulo- SP, CEP 01318 - 001, Tel.: (11) 3115-2637 Bilheteria: (11) 3107-5774

Estreia: 5 de junho, 21 horas - até 6 de setembro de 2009. Temporada: sextas e sábados 20h30, domingos 19h
 
Duração: 165 minutos // Lotação: 860 lugares // Acesso para deficientes físicos // Recomendação idade: 16 anos // não aceita cheque // cartão de débito Visa e Credicard // ingresso.com // Horário bilheteria: terça a domingo, 14h // Ingresso: R$ 40,00 e R$ 20,00 (aposentados, acima de 65 anos, professores da rede publica e classe artística) // Reservas só acima de 20 pessoas.

Informações para imprensa:

Canal Aberto Assessoria de Imprensa
Márcia Marques - (11) 3798 9510 / 2914 0770/ 9126 0425
http://www.canalaberto.com.br/
 
 
 
HILDA HILST "O Espírito da Coisa"
 
Espetáculo permite espectador acompanhar várias fases da vida da poetisa, da juventude, seu isolamento no campo até ser acometida pela esquisofrenia.

A atriz Rosaly Papadopol encena monólogo como resgate da obra da poetisa Hilda Hilst [1930 – 2004]. A homenagem não para no espetáculo teatral, uma série de eventos acontecerão como mostra de filmes, palestras, recital de música e leitura dramática.
O projeto teve início em 1998, desde lá que Papadopol vem organizando textos que compusesse o espetáculo teatral. A peça não faz distinção entre a ficção e a realidade utiliza-se da liberdade e abusa das metáforas.

Em cenário único é reproduzido o ambiente que levou aos últimos anos de vida da poetisa. Espaço dividido entre livros, plantas mesa com máquina de datilografia e cães e os rádios, que ela tentava captar vozes do além e a estática.

O texto tem o tratamento de Ruy Cortez, e as informações para pesquisas foram cedidas por José Mora Fuentes, escritor e coordenador do acervo e acompanhou Hilda até seus últimos minutos de vida. Rosaly contrói en cena o retrato de uma mulher e sua poesia forte como seus desejos, o amor, pensamentos sobre a morte e a natureza do homem. A peça fica em cartaz até 28 de junho.

Hilda Hilst

Teatro Centro da Terra
Rua Piracuama, 19
[11] 3675-1595
Indicação: 16 anos
Sex. e sáb., 21h00
Dom., 20h00
Preço: R$ 20 até R$ 40,00



Eventos

Dia 16/05
Ciclo de palestras: Porco no Corpo; A Escrita obscena de Hilda Hilst com Eliane Moraes; e Hilda Hilst: Uma Poética da Transgressão, palestrante Cláudio Wider.

23/05
Ciclo de Palestras: A Poesia Hilstiana: Do profano ao Sagrado, com Nelly Novaes.

30/05
Recital de música "Prelúdios Intensos Para os Desmenmoriados do Amor" , de Edson Tobinaga e a cantora Marina Alves

06/06

Exibição de curta-matragem Simplesmente Hilda , de Ricardo Picchi e "Caderno Rosa de Lori Lanby, de Sung Sfai.

13/06
Leitura Dramática de O Caderno Rosa de Lori Lamby" com Iara Jamra e Míriam Muniz.

20/06
Leitura Gramática de "Agda", com Gisely Petty e Verônica Fabrinni e Sandra Pestana; direção de Moacyr Ferraz

25/06
Espetáculo convidado "Obscena Senhora D" com adaptação de Germano Mello e Susan Damsaceno, sob direção de Rosi Campos e Donizete Mazonas.

27 e 28/06
Espetáculo convidado Jozu, o Encantador de Ratos, com Carla Tausz e direção de Alexandre David.
 
EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 00:36  comentar

Espetáculo usa Mímica Total para contar a história de três amigas. O diretor Luis Louis defende a posição do ator-criador e o estudo aprofundado de uma mímica que fala, grita e canta.

A Cia. Luis Louis está em cartaz até 31 de maio de 2009 com o espetáculo infantil Missão Super Hiper Importante no Teatro João Caetano (Rua Borges Lagoa, 650, São Paulo), dirigido por Luis Louis. Depois de passar anos entre o Brasil e a Inglaterra – onde estudou mímica e teatro físico –,Louis estabeleceu-se no país e fundou a companhia, que leva seu nome. Diretor desse espetáculo infantil, Louis explica a inserção da mímica em seu trabalho e a conceituação: “(...) porque aqui (no Brasil) a gente tem uma visão da mímica como uma arte silenciosa, a gente pensa em mímico como aquele performer de rosto branco com as luvinhas, contando histórias em silêncio.
Na verdade, isso é pantomima, um gênero, mas a mímica desde a Antigüidade já traz falas, textos, canções, técnica vocal. É importante dizer: a mímica fala, grita, canta. (...) Mímica Total (conceito a partir do qual trabalha a cia) é a idéia de pensamento, corpo e voz integrados nessa figura do ator criador, esse ator que colabora, que está envolvido na criação em todas as áreas. É bem diferente do trabalho do ator-intérprete, que entra no trabalho a partir de um texto”.Nessa peça infantil, de suspense, três amigas - Lene, Naty e Jojô - partem em busca de uma resposta: o que é a vida? O livro que responde a essa questão está na Ilha Perdida e para isso elas terão que enfrentar desafios muito grandes e terão recompensas valiosas. A pista para a resposta é descobrir quais são os elementos da Ilha e porque isso responde à pergunta do que é a vida. Cia. Luis Louis.
Após cinco anos de intenso estudo e trabalho com Mímica e Teatro Físico na Inglaterra, Luis Louis retornou ao Brasil em 1997, trazendo a proposta de uma nova posição do ator no teatro e na sociedade. Para isso, desenvolveu vários espetáculos como ator e diretor. No mesmo ano, conheceu a atriz Lene Bastos que se juntou a Louis no aprendizado profundo do treinamento e na pesquisa do Teatro Físico. Desse encontro nasceu a Cia Luis Louis. Em 1998, Louis apresentou-se com “Linhas Cruzadas”, e em 2000 dirigiu “A Mentecapta” de Mauro Rasi. No mesmo ano, Lene Bastos assina a assistência de direção do novo espetáculo de Louis, “Selvagem”, que foi apresentado durante três anos por todo o Brasil.
Em 2002, Luis Louis foi o orientador de Mímica do Projeto Solos do Brasil, sob coordenação artística de Denise Stoklos. Nessa ocasião, concretizou-se a parceria com Silvana Abreu. Em 2003, a Cia Luis Louis se estabelece no Casarão do Ator. Ali foram criados os espetáculos “Brasil Deportado” e “Elas delas para elas”, além da participação da Cia. no espetáculo “Revistando 2003”.
Em 2005, a companhia funda o Estúdio Luis Louis - Centro de Pesquisa e Criação da Mímica Total no Brasil, que passa a centralizar todas as suas pesquisas e criações. Neste mesmo ano, a companhia, representada por Louis, fez a preparação de mímica para Stênio Garcia, Osmar Prado, Rodrigo Santoro, Letícia Sabatella, Ricardo Blat e todo o elenco da minissérie “Hoje é dia de Maria – 2ª Jornada”.
 
No início de 2006 completou-se a formação atual dos integrantes da Cia. Luis Louis com André Capuano, Ângela Sassine, Jô Rodrigues, Natália Lopes e Paula Petreca. Em 2007 a Cia. foi contemplada pelo Prêmio Myriam Muniz de Teatro da Funarte, com patrocínio da Petrobras.Em 2008 acontece o 1º Manifesto da Mímica Total, no Centro Cultural São Paulo, um grande evento de divulgação da Mímica Total, contando com quatro espetáculos inéditos: "Sistema Nervoso", "Risco de Vida", "Sintoma" e "Missão Super Hiper Importante", este último para público infantil. Neste mesmo ano, o grupo foi contemplado com o Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo.
 
 
Em 2009 realizou o 2º Manifesto da Mímica Total, contando com 4 espetáculos: "650 Mil Horas", "Sistema Nervoso - Versão Final", "I´ve got a Feeling" e "Missão Super Hiper Importante". Durante todo esse período até hoje, o trabalho de treinamento e pesquisa da Cia. tem acontecido de forma sistemática e o Estúdio Luis Louis já se tornou uma referência desta arte no Brasil e no exterior.

Ficha Técnica do Espetáculo 'Missão Super Hiper Importante'
 
Elenco e Criação: Jô Rodrigues, Lene Bastos e Natália Lopes
 
Direção: Luis Louis Texto: Lene Bastos
Assistente de Direção: André Capuano
Trilha Sonora: Fernando Mastrocolla
Cenários: Luiza Sandler e Biba Rigo
Assessoria de imprensa: Canal Aberto – Marcia Marques
 
Serviço
 
Missão Super Hiper Importante (infantil) 18/04 a 31/05 - Sábados e Domingos, 16h Duração: 55 min.
recomendação: livre
 
Teatro João Caetano (436 lugares).
Rua Borges Lagoa, 650, Vila Clementino
Fone: 5573-3774. Ingresso: R$ 10,00.
A bilheteria abre uma hora antes.
 
Informações para a imprensa

Canal Aberto – 11 3798 9510/ 2914 0770/ 9126 0425 –
EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 00:35  comentar

Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
16

18
20
23

25
27



SITES INDICADOS
Buscar
 
blogs SAPO
subscrever feeds