Revelando, imortalizando histórias e talentos
16.4.11

 

 Foto: Aldo Araújo/AgênciaFM
9ª Semana Nacional de Museus promove mais de três mil atividades em 502 municípios
BRASÍLIA, DF /BRASIL, 14/5 - Em 2010, governo federal investiu R$ 120 milhões nos museus do País. De 16 a 22 de maio, quase mil museus e instituições realizarão eventos em todos os estados
Começa nesta segunda-feira (16) a 9ª Semana Nacional de Museus. Até o dia 22, quase mil museus e instituições culturais de 502 cidades de todo o Brasil oferecerão programação especial ao público. A Semana é celebrada anualmente por dezenas de países e é o maior evento, no âmbito mundial, comemorativo ao Dia Internacional de Museus, em 18 de maio. O tema desta edição, que é definido pelo Conselho Internacional de Museus, é Museu e Memória.
Serão mais de três mil atividades como exposições, cursos, seminários, oficinas, visitas mediadas, shows, concertos, recitais, palestras e exibição de filmes, entre outras atrações. O evento é promovido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/Ministério da Cultura).
Neste ano, a Semana de Museus tem recorde de participações, com 994 museus e instituições culturais integrando a programação. Dessas, 356 instituições participam da Semana pela primeira vez. Além dos museus, a programação inclui centros culturais, fundações, galerias, casas de cultura, cursos de museologia, pinacotecas, memoriais e outras instituições. O recorde anterior de participação foi em 2009, com 2.019 eventos programados em 614 instituições.
Panorama – O Brasil, que no início do século 20 contava com 12 museus, hoje possui mais de três mil instituições mapeadas pelo Cadastro Nacional de Museus. No campo dos investimentos, o avanço também foi considerável. De R$ 44,6 milhões em 2003, saltou-se para um montante de R$ 120 milhões em 2010. A Semana reflete o crescimento e a diversidade cultural do povo brasileiro. Museus de pequenas comunidades ou de grandes metrópoles, de porte e acervos diversificados fazem parte da Semana, traduzindo a pluralidade de culturas, histórias e povos que habitaram e habitam o Brasil.
Turismo – As cidades que serão as sedes dos jogos da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016 possuem juntas mais de 650 museus. O investimento no segmento pode refletir de forma muito positiva a inclusão do tema da cultura na dinâmica turística. Os museus podem ser considerados “portas de entrada” para conhecimento da cultura local. Para incentivar a construção de um legado cultural a partir dos megaeventos esportivos, o Ibram planeja uma agenda de investimentos para o segmento museal com foco nas cidades-sedes dessas duas competições.
Histórico – O Dia Internacional dos Museus foi criado em 1977 pelo Conselho Internacional de Museus (ou Icom, na sigla em inglês) com o objetivo de divulgar a importância dos museus para a sociedade. Em 2010, a data foi comemorada por 95 países, que realizaram quase 30 mil eventos alusivos. O Brasil é o país que mais se mobiliza para comemorar a ocasião. Desde 2003, já foram realizados mais de nove mil eventos durante as Semanas de Museus no País, e a 9ª edição, que oferece mais 3.080 eventos.
Panorama dos museus no Brasil
■ 3.025 museus no Brasil
■ 85 museus em implantação
■ 67% dos museus são públicos
■ Desde 2004, 12 novos cursos de museologia foram criados
■ 22,5 mil empregos diretos
Saiba Mais - A programação completa da 9ª Semana Nacional de Museus está disponível na página http://www.museus.gov.br/
Ibram lança Guia dos Museus Brasileiros
Nesta semana o Ibram lança o Guia dos Museus Brasileiros. Elaborado com dados do Cadastro Nacional de Museus, a publicação será o mais atual e mais completo guia de museus já publicado no país.
O Guia traz informações como endereço, tipo de acervo, acessibilidade, infraestrutura para o recebimento de turistas estrangeiros, horário de funcionamento, ano de criação, situação atual e natureza administrativa de todos os três mil museus já mapeados pelo Ibram no Brasil.
O lançamento está previsto para o dia 18, quando comemora-se o Dia Internacional de Museus, no Museu Histórico Nacional/Ibram, no Rio de Janeiro.
Princípios adotados na orientação da Política Nacional de Museus
1 – Estabelecimento e consolidação de políticas públicas para os campos do patrimônio cultural, da memória social e dos museus.
2 – Valorização do patrimônio cultural sob a guarda dos museus, compreendendo-os como unidades de valor estratégico nos diferentes processos identitários.
3 – Desenvolvimento de práticas e políticas educacionais orientadas para o respeito à diferença e à diversidade cultural do povo brasileiro.
4 – Reconhecimento e garantia dos direitos das comunidades organizadas de participar, com técnicos e gestores culturais, dos processos de registro e proteção legal e dos procedimentos técnicos e políticos de definição do patrimônio a ser musealizado.
5 – Estímulo e apoio à participação de museus comunitários, ecomuseus, museus locais, museus escolares e outros na Política Nacional de Museus e nas ações de preservação e gerenciamento do patrimônio cultural.
6 – Incentivo a programas e ações que viabilizem a conservação, a preservação e a sustentabilidade do patrimônio cultural submetido a processo de musealização.
7 – Respeito ao patrimônio cultural das comunidades indígenas e afrodescendentes, de acordo com as suas especificidades e diversidades.

 

Projetos de restauro do patrimônio histórico

 


  • Primeira sede do governo brasileiro passará por novo restauro,
  • depois das obras feitas entre 1982 e 1985/ Foto: Governo do Rio de Janeiro
Projetos de restauro do patrimônio histórico receberam R$ 252 mi do BNDES
 
 
Primeira sede do governo brasileiro passará por novo restauro, depois das obras feitas entre 1982 e 1985/ Foto: Governo do Rio de Janeiro Apenas o Paço Imperial do Rio de Janeiro receberá R$ 2,9 milhões do Fundo Cultural do banco.
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) destinou R$ 252 milhões a mais de 280 projetos de revitalização do patrimônio cultural, entre 1997 e 2010. Entre os projetos, um dos principais cartões postais brasileiros, o Paço Imperial do Rio de Janeiro, que receberá R$ 2,9 milhões, do Fundo Cultural do banco. Os recursos serão usados no sistema de climatização, no tratamento acústico, no cinema e na iluminação do monumento.
 
Datado do século 17, o Paço Imperial já foi Casa da Moeda (1697), presídio (1710-1711) e moradia de vice-reis (1763-1808). Em 1808, com a chegada da família real ao Rio de Janeiro, tornou-se a residência de D. João VI, passando a se chamar Paço Real. O nome atual veio com a independência do Brasil, em 1822, quando passou a ser o local de onde se governava o País.
 
O objetivo é realizar a segunda etapa de uma grande reforma ocorrida entre 1982 e 1985, que procurou restituir ao monumento a volumetria do século XIX, perdida ao longo do tempo. A intervenção valorizará as linhas arquitetônicas originais do Paço, substituindo os grandes painéis maciços que revestem a estrutura das suas principais salas por painéis intercalados, que permitirão visualizar paredes e janelas.
 
Desenvolvimento – A ação busca associar a preservação do patrimônio cultural e o desenvolvimento local, por isso as intervenções, na maioria das vezes, incluem o entorno urbano do patrimônio público. De acordo com o BNDES, a prioridade são os programas de revitalização urbana e turística, que abram novas oportunidades econômica às cidades históricas brasileiras e resultem em benefícios efetivos à população.
 
Foram beneficiados museus, igrejas, casas, fortes, teatros, universidades e centros históricos, em particular bens tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Além de prédios, acervos de arquivos municipais e científicos, museus e material bibliográfico de museus históricos, de arte sacra, bibliotecas e centros universitários. FONTES> Secom/Formas&Meios
EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 21:32  comentar

Abril 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13

17
19
20

24
25
27
28
30


SITES INDICADOS
Buscar
 
blogs SAPO
subscrever feeds