Revelando, imortalizando histórias e talentos
24.9.12

Final dos anos de 1950, Rio de Janeiro. Um edifício em construção é invadido por integrantes de um grupo de sem-teto no local que ficou conhecido como “Favela do Esqueleto”.

 

Adicionar legenda

 

Com direção de Antonio Netto e texto de Dias Gomes, a Cia. das Artes estreia o espetáculo “A Invasão” dia 04 de outubro às 19h, no Teatro Coletivo (Rua da Consolação, 1623). A obra foi encenada pela primeira vez em outubro de 1962 e é baseada em fatos reais.

 

 

Texto dos mais polêmicos das obras de Dias Gomes, A Invasão estreou em 1962, sendo proibido pelo AI-5 seis anos depois, ficando engavetado até 1978. O espetáculo um drama intenso e amargo. O autor investiga causas e consequências dos nossos problemas sociais numa linguagem despojada e contundente e aponta soluções drásticas num país onde impera a desigualdade social e vive de politicagem.

 

 Integrantes do elenco realizaram um processo de imersão para ajudar na composição dos personagens: eles visitaram prédios ocupados por sem-teto no centro da cidade de São Paulo e viram de perto a situação das famílias que ocupam estes imóveis. Em uma dessas construções, 150 pessoas moram de forma precária, com iluminação conseguida à base de “gatos” e um único banheiro para todos os moradores. Antes da ocupação, o prédio estava infestado de pulgas e era utilizado como abrigo para moradores de rua e ponto de consumo e tráfico de drogas. “Moradores de prédios vizinhos classificavam o prédio como uma verdadeira cracolândia vertical”, explica um dos atores.

 

O espetáculo

 

A marca registrada de Dias Gomes pode ser percebida já a partir da concepção do espetáculo. É dividida em cinco quadros e três atos, uma característica muito peculiar do autor em seus textos teatrais. “Ele escrevia desta forma porque gostava de explicar com minúcia a narrativa ao espectador. Isso é algo que ele trouxe de sua atividade como autor de novelas”, explica o diretor Antonio Netto. Segundo o diretor, a cenografia de A Invasão é composta por bambus, que, de forma eclética, podem se transformar em andares de um prédio em construção, casas ou varais.

 

 

A peça é uma espécie de crônica ao Brasil depois de 1964. Dias Gomes quer alertar o povo da necessidade de ser independente. Seu teatro não busca divertir os burgueses. Compõe um painel da vida dos segmentos excluídos da sociedade, com seus sofrimentos e lutas, com a presença constante da opressão e o difícil processo de tomada de consciência de suas próprias condições. É um teatro de revolta, de amargura.

 

 

Um pouco da história da Favela do Esqueleto

 

 

O esqueleto era um prédio destinado a ser um grande hospital, mas as obras foram abandonadas na década de 30. Toda a área foi invadida, se tornando uma grande favela, que não só ocupava a estrutura, como todo o terreno. Por décadas aquela região ficou abandonada, mesmo depois da construção do estádio do Maracanã. A solução veio no governo de Carlos Lacerda onde a população foi removida. Anos depois, o prédio deu lugar a UERJ, que permanece no local até os dias de hoje.

 

 

Sobre Dias Gomes

 

 

Novelista, escritor e dramaturgo baiano (19/10/1922-18/5/1999). Um dos mais consagrados teatrólogos e autores de telenovelas do Brasil. Alfredo de Freitas Dias Gomes nasce em Salvador e escreve aos 15 anos sua primeira peça, A Comédia dos Moralistas, jamais levada aos palcos, porém premiada no Concurso do Serviço Nacional de Teatro em 1939. Sua primeira obra encenada, Pé de Cabra, de 1942, é montada por Procópio Ferreira e censurada pelo Estado Novo. Na década de 50 escreve radionovelas. Abandona o rádio em 1964, quando os militares invadem a Rádio Nacional com uma lista de subversivos que inclui seu nome.

 

 

Entre suas peças teatrais, a mais célebre é O Pagador de Promessas (1959), com versão em 12 idiomas. Adaptada para o cinema em 1962, por Anselmo Duarte, ganha a Palma de Ouro no Festival de Cannes. Participa do Partido Comunista Brasileiro por 30 anos. Em 1965, a peça O Berço do Herói, mais tarde transformada em Roque Santeiro, é proibida no dia da primeira apresentação. Estreia na TV Globo em 1969, com a novela A Ponte dos Suspiros. Entre seus sucessos na TV estão a novela O Bem Amado (1973), que virou seriado entre 1980 e 1985, Roque Santeiro (1985/1986), Bandeira 2 (1971), O Espigão (1974) e Saramandaia (1976). Em 1983 perde a mulher, Janete Clair, também novelista, que sofria de câncer. Em 1991 é eleito membro da Academia Brasileira de Letras (ABL). Em 1995 passa por uma cirurgia para implantar pontes de safena. Morre em um acidente automobilístico em São Paulo. ESTA notícia também pode ser lida em: http://saopaulodestaque.blogspot.com.br/

 

 

Ficha Técnica

 

Texto: Dias Gomes

Direção Geral: Antonio Netto

Ator Especialmente Convidado: Jair Aguiar e Miriam Palma

Apresentando: Rafael Dib, Camilla Flores e Guilherme Trindade

 

Elenco: Marcio Vasconcelos, Ana Carolina Barreto, Bruno Canabarro, Vitória Rabelo, Vitor Moura, João Bonatte, Maiara Lourenço, Francisco Lopes, Priscila Padula, Adriana Andrette, Amanda Alencar, Ariane Sanches, Beatriz Peres, Camila Palandi, Caroline Ribeiro, Cintia Roberta, Denis Mendonça, Edenisia Santos, Evanildo Junior, Felipe Lopes, Giulia Galli, Henrique Quirino, Jéssica Daynara, Lara Rodrigues Oda, Maria Marta, Mariane Paiva, Mariano Rodrigues, Maria Alice Breves, Nathan Campos, Priscila Ramalho, Renata Gabriele, Samy Pereira, Tamara Batistelo e Thiago Cunha.

 

Serviço

 

Temporada: 04 de outubro até 02 de novembro

Horários: Quintas e Sextas às 21h

Local: Teatro Coletivo - Rua da Consolação, 1623 – Sala 1 - Estacionamento conveniado

Telefone: 3255-5922 (informações) e 2729-3098 (reservas)

Lotação: 134 lugares / Duração: 80 minutos / Recomendação: 12 anos

Ingressos: R$ 40 (inteira), R$ 20 (meia entrada) e R$ 15 (antecipado)

A bilheteria será aberta uma hora antes do espetáculo.

 

 

Informações para imprensa: Canal Aberto Assessoria de Imprensa

 

Márcia Marques - (11) 3798 9510 / 2914 0770/ 9126 0425

 

www.canalaberto.com.br

 

Twitter: @canalaberto

 

Facebook: canalaberto

EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 23:59  comentar

Siba 'globaliza' som do Nordeste
Parecendo um  liquidificador musical Siba, misturando música regional, rock e sons de guitarras da África.

Músico e compositor mostra canção 'Bravura e Brilho', que fez para seu filho, na série Latam Beats. Nascido no Recife, consagrou-se como um dos renovadores da música da Zona da Mata de Pernambuco, e iniciou a carreira em 1992, com a banda Mestre Ambrósio, tendo lançado três álbuns e virou uma das figuras mais relevantes do movimento Manguebeat, inicializado por Chico Science.
 
Aliás, o movimento é resultado da produção de Chico Science & Nação Zumbi, Mundo Livre S/A, Eddie, Faces do Subúrbio e Mestre Ambrósio, e outros; Ambos perceberam a importância da internet e do trabalho em rede na reafirmação da cultura regional - especificamente no Recife, por seus rios e mangues além da  próspera Zona da Mata pernambucana.
 
Mestre Ambrósio, em 2002, Siba se mudou de Recife, capital pernambucana, para Nazaré da Mata, na (Zona da Mata), e fundou a banda Fuloresta do Samba, somente com músicos locais. Em seguida, se tornaria mestre de Maracatu.
 "Avante" 2012, seu mais recente trabalho,  que vinha se dedicando intensamente a pesquisar e reprocessar os ritmos do interior de seu estado. Neste trabalho ele entra de cabeça na sonoridade da guitarra elétrica, bom trabalho produzido pelo também guitarrista Fernando Catatau.
Os oito episódios da série Latam Beats têm como objetivo mostrar a nova produção musical e a diversidade artística dos países latino-americanos a uma audiência estimada em 250 milhões de pessoas em todo o planeta. (AgênciaFM com informações da BBC de Londres).
 
------------------------------------------------
DILMA ROUSSEFF NOS EUA

-----------------------------------------------

 

Dilma chega aos EUA para abrir Assembleia Geral da ONU. A presidente Dilma Rousseff chegou neste domingo a Nova Iorque, onde fará na terça-feira o discurso de abertura dos debates entre os chefes de Estado na 67ª Assembleia Geral das Nações Unidas.

 

 

Ainda à espera de confirmações sobre possíveis compromissos bilaterais, a agenda da presidente permanece ''em construção'', como define a assessoria do Planalto. Ela deve ficar na cidade até quarta-feira pela manhã.

 

 

Dilma vem acompanhada da filha e dos ministros Antonio Patriota (Relações Exteriores), Marco Aurélio Garcia (Secretaria Especial de Assuntos Internacionais), Aloizio Mercadante (Educação), Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio), Aguinaldo Ribeiro (Cidades) e Helena Chagas (Secretaria de Comunicação Social).

 

 

Segundo o Planalto, grande parte do tempo de Dilma até a terça-feira será dedicada a burilar o discurso, ''um dos mais importantes para a projeção da imagem do Brasil no mundo'', como definiu aqui um de seus assessores.Cumprindo a tradição desde 1947, a chefe de Estado será a primeira a abrir os debates da Assembleia Geral, logo após as falas do secretário-geral da organização, Ban Ki Moon, e do presidente da Assembleia, o sérvio Vuk Jeremic.

 

Temas

 

Um dos temas que diz respeito ao Brasil e que, espera-se, seja abordado por Dilma é o desenvolvimento sustentável, um prosseguimento do que foi acordado na Rio+20, em junho.

 

O acordo final estabelece que as próximas metas de desenvolvimento – que substituirão os atuais Objetivos do Milênio a partir de 2015 – incorporem os conceitos de preservação do meio ambiente, redução da pobreza e igualdade de gêneros, por exemplo.

 

Abrindo os trabalhos da assembleia no início desta semana, Vuk Jeremic disse que as 193 delegações da ONU têm de demonstrar um ''compromisso decisivo'' para cumprir não apenas os prazos do acordo da Rio + 20, mas também “os objetivos políticos e financeiros” que desenhou para cumpri-los.

 

Outro pilar desta assembleia geral é a resolução pacífica de conflitos mundiais, um assunto diretamente relacionado à discussão sobre como relacionar as turbulências no Oriente Médio, em especial na Síria.

 

Assessores da Casa Branca disseram à BBC que o presidente americano, Barack Obama, que falará logo após Dilma Rousseff, deverá tratar desse tema em seu discurso. Em ano eleitoral, no qual tem sido acusado por seus rivais republicanos de leniência na sua política externa americana, espera-se ainda que Obama ofereça uma ''visão da liderança americana'' – uma tentativa de passar a mensagem de que os americanos estão hoje em uma posição no cenário externo ''mais forte'' do que estavam quatro anos atrás.

 

CompromissosA assembleia anual da ONU é também um momento em que os chefes de Estado e as delegações fazem contatos bilaterais.

 

Por seus compromissos eleitorais, Obama já havia anunciado que não organizará reuniões com chefes de Estado neste ano – ele passará menos de dois dias em Nova York.

 

Segundo a assessoria do Planalto, a agenda de reuniões bilaterais de Dilma ainda está sendo construída. Uma possibilidade é que ela se encontre com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso. O outro compromisso confirmado até agora é a participação da brasileira em uma reunião na terça-feira do Council of Foreign Relations, que reúne intelectuais e especialistas em política internacionais e publica a revista Foreign Affairs. Mas tais encontros são fechados para o público e a imprensa.

 

A maior parte da agenda bilateral será encampada pelo ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota.

 

Até a quarta-feira, ele terá uma longa lista de encontros com representantes de governos nacionais, grupos de trabalho e organizações multilaterais, entre os quais Alemanha,Turquia, a Liga Árabe e os países do bloco Brics – formado por Brasil, Rússia, China, Índia e Africa do Sul. Fonte: www.bbc.com \  Pabo Uchoa

EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 02:02  comentar

Setembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9

17
19
20

23
25



SITES INDICADOS
Buscar
 
blogs SAPO
subscrever feeds