Revelando, imortalizando histórias e talentos
13.1.13

 

 

Souza Lisboa, fascinado pela arte teatral, recebia apoio do Conde de Valadares

 

 

Casa da Ópera\ Foto: site do teatro

A Casa da Ópera de Vila Rica, o mais antigo prédio teatral da América do Sul, custou 16 mil cruzados a João de Souza Lisboa, construtor e proprietário da obra, concluída em 1769. Contratador dos reais quintos e das entradas, Souza Lisboa, fascinado pela arte teatral, recebeu desde o início apoio do Conde de Valadares, governador da Capitania, e de seu secretário, o poeta Cláudio Manoel Costa.

 

Enquanto viveu, Souza Lisboa esteve à frente da Casa da Ópera de Vila Rica, contratando atores em Sabará e no Tijuco, relacionando nomes de personalidades influentes – intelectuais, militares, políticos – capazes de prestigiá-lo em momentos decisivos, preocupando-se com a pintura e a decoração do prédio. Seu criador morreu em  1778. 

 

Depois de longa data inoperante, ressurgiu oito anos depois, triunfalmente, nas festas dos desposórios do infante D. João, com três noite de ópera e a presença esperada e aplaudida de Joana Maria, Violanta Mônica. A partir daí, sob diferentes administradores, a Casa da Ópera viveu períodos de altos e baixos, sem, no entanto, sem deixar de funcionar.

 

 

 

 

 

836997603-M

Por volta de 1817, com as atenções do poder público voltadas para suas necessidades de reforma e manutenção, reviveu os antigos dias de glória. Casa da Ópera reagia positivamente ao interesse a comunidade. Em 1820, o entusiasmo do público e das companhias era tão grande que os espetáculos chegaram a ser semanais. O público, sem se importar com a dificuldade do acesso à acidentada Rua de Santa Quitéria, lotava, a cada semana, as galerias e a platéia central, num plano um pouco inferior ao palco.

 

A atmosfera de envolvimento quase desaparece completamente em 1885, quando o governo provincial chega a planejar a construção de um novo teatro em Vila Rica que, Capital, merecia. Ao passar o governo da Província para seu sucessor, conselheiro Herculano Ferreira Penna, o presidente Francisco Diogo Pereira de Vasconcelos declara: “V. Exc. resolverá com parecer mais acertado, dotando esta cidade com um edifício que proporcione a seus habitantes algumas distrações, aproveitando os talentos e a propriedade de alguns jovens, que muito se acanham trabalhando no antigo theatro próximo a desabar”. Resultado, nem o Teatro desabou, nem construíram outro. No entanto, reina triunfante como o mais antigo em funcionamento.

 

 

Especificações técnicas

 

Com seu Palco Italiano com desnível da frente do palco em relação ao fundo do palco e caixa cênica – 6m largura x 8m profundidade x 6m de altura, Ribalta em curva (sem iluminação), Coxias 1,70m largura, 02 acessos laterais para a platéia do primeiro andar.

 

Camarins

 

 

Localizado abaixo do palco, constituído por:

01 Área de aquecimento com traves, espelhos e bancada, piso de madeira

02 ambientes com banheiro, espelhos, bancadas e iluminação especial para maquiagem

01 banheiro de uso geral

01 Acesso para o palco através de escada de madeira com 65 cm de largura

01 Acesso para o palco através de alçapão na frente do palco (ponto)


Capacidade

 

 

280 lugares divididos da seguinte maneira:

1º Andar – Platéia principal – 92 cadeiras de madeira fixas

1º Andar – frisas – 70 cadeiras de madeira móveis

2º Andar – Camarotes – 60 cadeiras de madeira móveis

2º Andar – Camarote imperial – 08 cadeiras de madeira móveis (utilizado apenas em situações especiais)

3º Andar – Galerias – 50 cadeiras de madeiras móveis

 

Endereço :

 

Teatro Municipal Casa da Ópera 

 Rua Brigadeiro Musqueira S/N – Centro /

Ouro Preto, MG / CEP: 35400-000

Fone: Fone: 35593224

casadaoperaop@gmail.com

http://casadaoperaop.wordpress.com

EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 01:41  comentar

Janeiro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

15
16
17
19

20
22
23
26

27
28
30


SITES INDICADOS
Buscar
 
blogs SAPO
subscrever feeds