Revelando, imortalizando histórias e talentos
26.6.15
Perfil Sadi Cabral , ator, bailarino e compositor brasileiro
 

Nascido em Maceió, em 10 de setembro de 1906, Sadi Cabral tornou-se ilustre pela dedicação e paixão pelas artes em geral. Trabalhou no rádio, no teatro, na televisão, no cinema, além de ter sido bailarino, compositor e professor.

 

Sadi com Regina Duarte e Célia Biar

 

Aos 17 anos, Sadi tinha clara a sua vocação. Já morava no Rio de Janeiro quando começou a atuar no teatro, nas companhias de Lucília Pérez, depois na de Leopoldo Fróis e, então, na de Abigail Maia, na qual estreou profissionalmente, em 1924, na peça Secretário de Sua Excelência. No início da carreira, cursou dança e coreografia no curso de Maria Ollenewa e Richard Nemanoff e participou de alguns espetáculos no Teatro Municipal como bailarino. EDITORIAS: cinema antigo, cultura

 

 

Cyro Ridal abre a exposição ‘Fotos casuais de movimentos presos’, no Canal da Música

 

 

CURITIBA (PR) BRASIL - Ele não é fotógrafo profissional, mas o olhar apurado descobre detalhes e enquadramentos que tornariam o hobby facilmente profissão. A exposição ‘Fotos casuais de movimentos presos’, que será aberta nesta quinta-feira (18), no Canal da Música, em Curitiba, traz 49 imagens do imenso arquivo de Cyro Ridal, produtor de programas de rádio, de TV e musical. A entrada é gratuita. Em pausas profissionais, Ridal vaga por espaços abertos e fechados da cidade, com a máquina digital (antes uma Nikon FM), de preferência de dia, porque prefere luz e sombra naturais. EDITORIAS: exposições

 

10 centro culturais com entrada grátis

 

O famigerado centro cultural Itaú

São Paulo, brasil, é a cidade com a maior oferta cultural e de lazer na América Latina,  segundo o governo municipal. Com mais de 100 museus e dezenas de centros culturais, a metrópole tem opções para todos os bolsos."Um dos motivos pelos quais vim para São Paulo foi esse caldeirão de cultura que a gente encontra aqui. Veja lista dos dez centros culturais com acesso gratuito. http://formasemeios.blogs.sapo.pt/10-centro-culturais-gratis-1587857

 

Gastronomia dos imigrantes: Portugal, Moçambique, Turquia

 

Entre os dias 14, 20 e 21 de junho,  em São Paulo  acontecerá o já tradicional, acontece nos dias 14, 20 e 21 de junho na antiga Hospedaria de Imigrantes do Brás.

 

Durante três dias, os visitantes desfrutam de altas doses de cultura internacional. A começar pela gastronomia com pratos típicos de países como Alemanha, Portugal, Croácia, Iraque, Moçambique, Síria e Turquia. Além das comidas, haverá também apresentação de receitas tradicionais. http://formasemeios.blogs.sapo.pt/20a-festa-do-imigrante-1586945

 

“Tomorrowland – Um Lugar Onde Nada é Impossível” cuja pretensão é passar como um filme sobre o futuro, mas, na verdade, não passa de uma extravagância nostálgica com os ingredientes do tipo Disney, algo até paradoxal, haja visto que boa parte do público a quem o filme se destina não viveu ou sequer a época em fora inspirado. EDITORIAS: filmes em cartaz

 

Um dos atores mais premiados da cena gaúcha, Nelson Diniz vai comemorar 30 anos de carreira com uma estreia. Mas, dessa vez, longe dos palcos. No próximo dia 17, no Centro Cultural Erico Verissimo, o artista fará a abertura de sua primeira exposição fotográfica: As Mulheres em Mim, que tem produção de Liane Venturella.

 

Foto: Nelson Diniz

PORTO ALEGRE (RS) BRASIL - O título resume a essência de toda a pesquisa. A mostra é composta apenas por selfies em preto e branco clicadas com um tablet. O processo de captura das imagens durou um ano e seis meses e tudo surgiu por acaso quando Nelson testava a câmera do equipamento eletrônico mirando o próprio corpo:
Ícones do passado: Horacina, Zé e Zilda e Norma
 
Cantora Horacina Corrêa. Gaucha de boa voz atuou nas Rádios Mayrink Veiga Tupi e Nacional, foi crooner da Orquestra do Maestro FonFon (Otaviano Romero Monteiro).Gravou um disco com musicas de Noel Rosa. 
 

Quando menino estava com meu pai passeando na Rua do Ouvidor quando ela apareceu e amiga do velho deu-me um beijo no rosto. Contei para a garotada da minha rua ficar com inveja... e ficou. 

 

Apareceu no filme Este Mundo É Um Pandeiro cantando um samba de A. Barroso, caracterizada de baiana. http://formasemeios.blogs.sapo.pt/icones-do-passado-1584734

 

O espetáculo promove uma viagem à era do cinema mudo, na qual Charles Chaplin se consagrou como um dos principais artistas do XX.

 

Chaplin é interpretado na peça por Jarbas Homem de Mello e o elenco ainda conta com Naíma, interpretando sua mãe Hannah, Marcello Antony, na pele de seu irmão mais velho Sydney e Giulia Nardruz, como a quarta esposa Oona O’Neil. http://formasemeios.blogs.sapo.pt/teatro-chaplin-o-musical-1583212

 
 

Mostra fica em cartaz até dezembro e conta a trajetória das mulheres no esporte

 

Foto: soesporte.com.br

 

SÃO PAULO (SP) BRASIL - No ano da Copa do Mundo Feminina Fifa, o Museu do Futebol levanta uma bandeira para reparar uma injustiça cometida: dar a visibilidade merecida para o futebol feminino. Para tanto, nesta terça-feira, 19, às 10h, será inaugurada a exposição Visibilidade para o Futebol Feminino. Um gol de placa em que as mulheres ampliam as fontes e registros sobre sua participação no esporte e que preenche uma lacuna na história do Museu. http://formasemeios.blogs.sapo.pt/mostra-futebol-feminino-1581768

  

 

Um retrato exótico da vida daquele que foi eleito o pior cineasta de Hollywood de todos os tempos,  Ed Wood. Interpretado por Johnny Depp, em atuação magistral. Quanto ao filme, já nascera clássico. 

 

O veterano Martin Landau vive o papel de Bela Lugosi, grande amigo de Wood. Durante décadas Lugosi tentou colaborar para que o estigma de pior cineasta fosse eliminado do currículo o diretor, produtor e roteirista Ed wood. Não conseguiu.  Focando os relatos nos anos 50, quando o diretor se envolveu com um bando de atores desajustados, incluindo um Bela Lugosi (Martin Landau) em fim de carreira. EDITORIAS: clássicos dvd   

  FORMAS & MEIOS: APOIO MASTER

                                                                Clique e acesse site

link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 00:40  comentar

Nascido em Maceió, em 10 de setembro de 1906, Sadi Cabral tornou-se ilustre pela dedicação e paixão pelas artes em geral. Trabalhou no rádio, no teatro, na televisão, no cinema, além de ter sido bailarino, compositor e professor.

 

Sadi com Regina Duarte e Célia Biar

 

Aos 17 anos, Sadi tinha clara a sua vocação. Já morava no Rio de Janeiro quando começou a atuar no teatro, nas companhias de Lucília Pérez, depois na de Leopoldo Fróis e, então, na de Abigail Maia, na qual estreou profissionalmente, em 1924, na peça Secretário de Sua Excelência. No início da carreira, cursou dança e coreografia no curso de Maria Ollenewa e Richard Nemanoff e participou de alguns espetáculos no Teatro Municipal como bailarino.

 

Em 1930, Sadi começou a trabalhar na Rádio Philips, no Programa Casé, que ia ar aos domingos e durou até 1936, quando essa rádio transformou-se em Rádio Nacional. A atração tinha quadros de radionovela, histórias policiais, minimusicais e quadros de humor, nos quais Sadi Cabral destacava-se pelas interpretações. O artista também passou a adaptar, para o rádio, clássicos da literatura brasileira.

 

Depois da temporada de estudos, dança e rádio, Sadi Cabral volta aos palcos em Iá-Iá boneca, de Ernani Fornari. Em 1939, foi o responsável pela montagem de Guerras de alecrim e da manjerona, de Antônio José da Silva, com a Companhia Comédia Brasileira. Este foi o primeiro espetáculo do Serviço Nacional de Teatro (SNT), criado por Getúlio Vargas por sugestão de Gustavo Capanema, sob a direção de Abadie Faria Rosa. Foi através de um concurso de teatro amador para peças em um ato, promovido pela Associação dos Artistas Brasileiros, que Sadi Cabral, Mafra Filho e Luiza Barreto Leite, integrando o grupo Os Independentes, ganharam destaque na imprensa. Eles venceram o concurso com a peça A verdade de cada um, de Pirandello, e entraram em temporada no Teatro Regina (hoje Dulcina), no Centro do Rio de Janeiro.

 

Teatro Experimental Negro

 

Era meados da década de 1940 quando esse alagoano participou do Teatro Experimental Negro, atuando em O imperador Jones, de Eugene O’Neill, apresentando no Teatro Municipal do Rio de Janeiro a situação do negro após a abolição. Em junho de 1949, passa a lecionar, desde o início, no Curso Prático de Teatro, que Santa Rosa conseguiu instalar junto ao Serviço Nacional do Teatro. Em 1956, Sadi Cabral entrou para o Teatro Brasileiro de Comédia e, pela atuação em Eurydice, de Jean Anouilh, direção de Gianni Ratto, recebeu o Prêmio Saci do jornal O Estado de S. Paulo. Nesse mesmo ano, lançou pela Sinter o LP Sadi Cabral interpreta poemas de Luiz Peixoto, em que declamava poemas de Bandeira.

 

No Teatro de Arena, Sadi Cabral trabalhou, entre outros, nos espetáculos Juno e Pavão, de Sean O’Casey;  A mulher do outro, de Sidney Howard e Só o faraó tem alma, de Silveira Sampaio, com direção de Augusto Boal. Recebeu o Prêmio Governador do Estado de São Paulo e a medalha de ouro da Associação Paulista de Críticos Teatrais pelo desempenho em A alma boa de Set-Suan, de Bertolt Brecht, e por A cantora careca, de Eugène Ionesco, em 1958. Em 1959, já no Teatro Maria Della Costa, em São Paulo, Sadi participa do primeiro sucesso de Flávio Rangel. 

 

Os anos 1960 chegam e Sadi faz uma breve passagem pela Companhia Tônia-Celi-Autran, em Lisbela e o prisioneiro, de Osman Lins, com direção de Adolfo Celi e Carlos Kroeber. Em seguida, junta-se aos atores do Teatro Oficina, em Todo anjo é terrível, de Ketti Frings, com direção de José Celso Martinez Corrêa. Atua na montagem de Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, com direção de Sergio Cardoso, e em Júlio César, de William Shakespeare, com direção de Antunes Filho. Na década de 1970, Sadi Cabral trabalhou com novos diretores com uma linguagem mais pessoal, como em Oh! Que belos dias, de Samuel Beckett, com direção de Ivan de Albuquerque; Tango, de Slawomir Mrozek, com direção de Amir Haddad; Lulu, de Frank Wedekind, com direção de Ademar Guerra; entre outros. Sua última peça foi O homem do princípio ao fim, em 1981, de Millôr Fernandes.

 

O currículo de Sadi

 

Seu currículo incluiu participações em mais de 40 filmes, entre eles, Pureza; Vinte e quatro horas de sono; O dia é nossoInconfidência Mineira e Escrava Isaura.Depois do primeiro convite da TV Tupi, em 1967, para que Sadi Cabral participasse de Paixão proibida, de Janete Clair, vieram muitos outros. Entre as décadas de 1970 e 1980, ele fez parte do elenco de diversos folhetins de televisão. Passou pelas TVs Bandeirantes, Excelsior, Tupi; Cultura e Globo. Nesta, interpretou o personagem Seu Pepê, que fez Sadi conquistar definitivamente os telespectadores e ganhar popularidade. A história do poderoso Hipólito Peçanha, que, confundido por Patrícia como um faxineiro da fábrica da qual era dono, faz-se passar por Seu Pepê, virou, inclusive, tema de uma marchinha de carnaval no ano de 1972. Seu último trabalho na televisão foi em Maçã do amor, novela exibida pela TV Bandeirantes.

 

Na música, Sadi Cabral fez a primeira composição em 1938, em parceria com Custódio Mesquita. A opereta A bandeirante, apresentada em outubro do mesmo ano no Teatro São Pedro, na capital gaúcha, Porto Alegre, deu início a uma amizade que rendeu outras canções. Sadi tornou-se letrista, escrevendo com Custódio, nos anos seguintes, as valsas  'O Velho Realejo'

 

Velho realejo,O piãoBonequinha, além do fox  “Mulher”. Sadi Cabral faleceu em 23 de novembro de 1986, aos 80 anos, vitimado por uma parada cardíaca. 

link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 00:35  comentar

Junho 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
16
17
18
20

21
22
24
25
27

29


SITES INDICADOS
Buscar
 
blogs SAPO
subscrever feeds