Revelando, imortalizando histórias e talentos
9.6.17

 

São Paulo Companhia de Dança se apresenta no Teatro Sérgio Cardoso. Espetáculos acontecem no mês de junho; Pássaro de Fogo e 14’20’’, duas das quatro estreias da temporada, serão apresentadas neste.

 

A São Paulo Companhia de Dança (SPCD) continua neste fim de semana com sua temporada no Teatro Sérgio Cardoso. Durante todo o mês de junho, a companhia mantida pelo Governo do Estado de São Paulo apresenta obras de seu repertório e mais quatro estreias.

 

“A temporada 2017 tem como tema Pássaro de Fogo, símbolo de luz. Uma ave lendária, mítica e imortal, capaz de se regenerar, de encontrar potência para sua existência pelo encorajamento e superação. Este tema vem ao encontro das observações, reflexões e transformações do Brasil dos dias atuais”, comenta a diretora artística da SPCD, Inês Bogéa.

 

Entre as apresentações inéditas ainda previstas na programação deste sábado está justamente Pássaro de Fogo (2010), criada por Marco Goecke e remontada por Giovanni Di Palma. No mesmo dia haverá o espetáculo 14’20’’ (2007), de Jirí Kylián, remontado por Nina Botkay. Outro inédito da temporada que ainda poderá ser visto é a Primavera Fria (2017), criação de Clébio Oliveira para a SPCD. 

 

 

SERVIÇO

 

SÃO PAULO COMPANHIA DE DANÇA | TEMPORADA 2017

Teatro Sérgio Cardoso – Junho

Quintas-feiras e sábados, às 21h

Sextas-feiras, às 21h30

Domingos, às 18h

Indicação classificativa: Livre.

Endereço: Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista – São Paulo/SP

Capacidade: 835 lugares

Valor do ingresso/dia: R$ 40 (plateia central), R$ 20 (meia-entrada plateia central), R$ 30 (plateia lateral), R$ 15 (meia-entrada plateia lateral), R$ 20 (Balcão), R$ 10 (meia-entrada balcão)

www.ingressorapido.com.br

11 4003-1212

Bilheteria do Teatro Sérgio Cardoso, de quarta-feira a domingo, das 14h às 19h

11 3288-0136

 

EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 23:23  comentar

 Adaptação extraordinário, que daria orgulho a Oscar Wilde se estivesse vivo. Interpretações magnificas de Colin Firth e Reese Whiterspoon. Este é aquele tipo de filme que já nasce clássico. 

 

Algernon Moncrieff (Rupert Everett) é charmoso, misterioso e sem controle com os gastos do dinheiro da família. Seu melhor amigo, Jack Worthing (Colin Firth) também é rico, mas é responsável por todo o dinheiro que conquistou. 

 

Algernon está cheio de problemas, parte deles relacionados com dívidas. Quando descobre que Jack criou o pseudônimo Ernest para descansar em uma casa de campo, foge para a casa do amigo e se faz passar pelo personagem criado por Jack, que também precisa fugir um pouco e assumir o nome de Ernest. 

 

A confusão se estabelece quando Cecily Cardew (Reese Whiterspoon) e Gwendolen Fairfax (Frances O'Connor) descobrem que estão apaixonadas pela dupla de amigos que elas acreditam ser Ernest. Filme teve sua estreia e 17 de maio de 2002. 

 

 (The importance of being Earnest, 2002, 

Miramax Films, 97min) 

Direção e roteiro: Oliver Parker, sobre peça teatral homônima de Oscar Wilde. 

 

Fotografia: Tony Pierce-Roberts. 

Montagem: Guy Bensley. 

Música: Charlie Mole. 

Figurino: Maurizio Millenotti. 

Direção de arte/cenários: Luciana Arrighi/Ian Whittaker. 

Produção executiva: Uri Fruchtmann. 

Produção: Barnaby Thompson. 

 

EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 23:21  comentar

Junho 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

15

18
24

25
28


SITES INDICADOS
Buscar
 
blogs SAPO
subscrever feeds