Revelando, imortalizando histórias e talentos
28.5.09
A assimilação histórica e cultural que a cidade recebeu de todos os povos que por aqui passaram, resultou na criação de um artesanato variado e único.

O tradicional bordado religioso se manteve com um reduzido grupo de artesãos trabalhando para as Confrarias e Irmandades Católicas da região. São fabricados com fios de ouro e prata, sedas e confeccionados de modo totalmente manual, este tipo de artesanato ainda é consumido por pessoas de alto poder aquisitivo. É tópico obrigatório, as celebrações sevilhanas exigem uma conservação extrema de todos seus componentes, o que pode-se observar especial responsabilidade e atenção dos artistas em seu trabalho. Com a invasão Árabe, não poderia deixar de existir a atividade da cerâmica e Azulejaria, que também leva a marca da tradição de Triana.

Os trabalhadores que fabricam a típica cerâmica sevilhana, especializados em tonalidades azuis, amarelas, laranjas e marrons, podem ser reconhecidos à distância, pois os tons de seus uniformes os tornam também únicos nas ruas por onde passam. Em Salúca la Mayor se desenvolveu um trabalho de recuperação de desenhos hispano-árabes, com inscrustações metálicas, e inspirações renascentistas. Donde se sobressaem os tons azul e amarelo.
 

Carruagens e acessórios

 

Um outro trabalho artesanal e muito siginificativo da cidade são suas carruagens. Elas são construídas por artesãos exclusivamente dedicados que trabalham no centro de Sevilha que também produzem complementos de montaria e acessórios para os cavalos. Além de toda essa riqueza eles também tem outras " artesanías ", como a fabricação manual das vestimentas das mulheres andaluzes, que vai muito além de simplesmente vestir as dançarinas flamencas ou para acompanhá-las no dia-a-dia. Os chales utilizados pelas sevilhanos também são muito requisitados por viajantes do mundo todo. Em cada peça da artesania andaluz há influência direta do artesanato árabe que deu origem ao produto na península ibérica,

 

 

Portugal e Espanha. Por volta de 711 Dc, chegaria à Península o povo que a conquistou, os muçulmanos. Aqui eles fundaram templos e influênciaram tanto nas artes quanto na religião, sendo Cordóba, Granada e Andalucía ou Andaluzia, uma das 17 Comunidades Autônomas que se divide o país; oito províncias sendo sua capital Sevilha com 7.314,644 habitantes. *** [ Francisco Martins ]

 

Cerâmica Marajoara

Peças acromáticas ou pigmentada por caulim urucum e até - tapa-sexo feitas em barro eram confeccionados pelos Marajó



O legado marajoara é inspiração para artesãos do Brasil e América Latina. Mais do que uma forma de artesanato, a cerâmica marajoara é uma das melhores heranças dos índios que habitaram a região. Seus desenhos diversos, a utilização da semente do urucum para dar o tom avermelhado das peças, cuja técnica é pesquisada por artesãos tanto do Brasil quanto do exterior. Durante escavações na ilha foram encontrados resquícios de peças que datam de 890 a. Cristo e as mais recentes do século XVIII. A maior parte do acervo marajoara se encontra no Museu de Marajó, localizado na Cachoeira de Ariri, Pará,70 quilômetros distante de Salvaterra {91-3741-1202}. O museu é uma fonte de pesquisa tanto para estudantes quanto para artesãos em busca de um trabalho original igualmente as peças expostas.

Durabilidade

Visando aumentar a resistência do barro os Marajós agregavam outras substâncias minerais ou vegetais: cinzas de cascas de árvores e de ossos, pó de pedra e concha e o cauixi-uma esponja silicosa - que recobre a raiz de árvores permanentemente submersas. As peças eram acromáticas, sem uso de cor na decoração somente a tonalidade do barro queimado, e cromáticas. A coloração era obtida com o uso de engobes, barro em estado líquido e pigmentos de origem vegetal como urucum para o tom vermelho, para o branco o caulim, e para o preto o jenipapo, além da fuligem e do carvão. As peças eram queimadas em forno de buraco ou em fogueira a céu aberto. Então, receberia uma espécie de verniz obtido do breu do jutaí, uma espécie de resina que propicia um acabamento lustroso.

Museu do Marajó
Avenida do Museu, 1983
{0xx91 /3758-1102}

 
EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 00:45  comentar

Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
16

18
20
23

25
27



SITES INDICADOS
Buscar
 
blogs SAPO