Revelando, imortalizando histórias e talentos
6.12.14

Bonita, a jovem bailarina pulsava talento de atriz. Em teste na companhia de Dulcina de Morais é recusada pelo sotaque estrangeiro. Passou fazer o chamado 'teatro ligeiro' e torna-se sinônimo de casa cheia: seu maior sucesso nessa fase acontece com Feia, de Paulo Magalhães.

 

Eva Todor nasce em Budapeste, Hungria, em 19 de novembro de 1919. Aos 4 anos seu pai a matricula na Ópera Real. A família muda-se para o Brasil em 1929, e fixa-se em São Paulo, onde aos 8 anos começa a estudar balé e encanta a colônia húngara da cidade. Depois de Oduvaldo Vianna convidá-la para apresentar-se no Teatro Municipal, é contratada por Francisco Serrador para dançar em sessões de cinema, em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. 

 

Quando monta sua companhia em 1940 – Eva e Seus Artistas – lança grandes nomes, como Oscarito, Jardel Filho, Jorge Dória e Elza Gomes. Por mais de vinte anos estabelece-se no Teatro Serrador, na Cinelândia, onde seu estilo de representação cria forte empatia com o público. Quando o Serrador entra em obras, parte com todos os 40 contratados para Portugal; lá cumpre turnê de três anos, sem qualquer tipo de apoio.

Em 1957 ingressa na televisão e estrela o primeiro seriado brasileiro, As Aventuras de Eva, criação de Iglézias, no ar pela TV Tupi carioca por quase três anos. Na década de 60, quando o Teatro Serrador sofre redução do número de lugares e perde o seu urdimento, ocupa os palcos do Teatro Copacabana e do Teatro Maison de France. Faz nova temporada em Portugal em 1961.

 

Casamentos \cinema

 

Em 1963 falece Iglezias. Dois anos depois, casa-se com o engenheiro químico e empresário Paulo Nolding, que passa a cuidar de sua carreira. Por sua orientação, aceita papéis femininos maduros e dramáticos, como em Senhora na Boca do Lixo, de Jorge Andrade. Em 1969 encena De Olho na Amélia, de Georges Feydeau, e emplaca outro sucesso. O casamento com Nolding dura 25 anos, até o seu falecimento em 1977. Muito abalada, afasta-se do trabalho. Depois de um tempo, recebe convite de José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, para retornar à televisão. É quando interpreta Kiki Blanche na novela Locomotivas, com grande popularidade na Globo, emissora em que permanece até hoje.

 

Em cinema atua pouco. Em Os Dois Ladrões (1960), de Carlos Manga e Cyll Farney, filme em que vive Madame Gaby ao lado de Oscarito e Jayme Costa, seu desempenho é muito elogiado. A cena em que se reflete em imaginário espelho, com Oscarito, é um clássico do cinema contemporâneo. Volta à tela grande em 2003 na produção Xuxa Abracadabra, dirigida por Moacyr Góes.

  

A atriz mora no Rio de Janeiro, e encontra-se em situação delicada devido sua idade. 

EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 00:08 

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Dezembro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

15
17
19
20

22
24
26
27

29
31


SITES INDICADOS
Buscar
 
blogs SAPO
subscrever feeds