Revelando, imortalizando histórias e talentos
28.6.18

 

Fez vários personagens marcantes mas a atriz ficou bem mais conhecida como a enfermeira que pedia silêncio nos cartazes colados nas paredes dos hospitais.

 

Nascida em uma família circense na cidade de Carmo do Paranaíba, Maria Aparecida nasceu a 03 de dezembro de 1918. Sua mãe Florípes era conhecida como a "rainha do copofone" , um número onde ao tocar os copos de cristal, ela tirava toda espécie de sons. Com poucos meses de vida ele já estava entrava em cena. Quando sua mãe a deixou por um período no Colégio Santa Inês, lá ela teve contato com outras artes e aprendeu de tudo um pouco, inclusive música e pintura. Mas seu destino seria o circo. 

 

Fazia perigosos números no trapézio, no arame e nas "pantomimas". Em umas dessas apresentações ela conheceu um "mocinho bonitinho", que viria a ser seu namorado, e consequentemente seu marido por mais de 60 anos, trata-se de Jarbas Savala Baxter, um ginasta e também galã das ‘pecinhas’, com quem teve três filhas. Certa vez se apresentou na TV Paulista (atual Rede Globo) e foi aprovada como "extra", elenco de apoio. Começou a trabalhar em "Quando vovó tinha 20 anos" , onde contava historinhas para as crianças. Mudou-se para a TV Record e ali foi escolhida pela Cia. União de Refinadores como "Garota Propaganda" do Açúcar União. Baxter desbancou todas as jovens apresentadoras. Seu jeito alegra e maternal caiu no gosto do público, foi sucesso como apresentadora.


Novelas

Ela queria atuar e fez sua primeira novela "Éramos Seis". No teatro atuou no TBC, sendo que uma das apresentações foi visitada no camarim por Café Filho, Presidente da República da época. Foi em seguida para a TV Cultura e para a TV Excelsior. E ali voltou a ter mais um programa "Quem quiser que conte outra". No programa "Tita recebe" atuava como mestre de cerimônias.

 

Retornaria às novelas e seu sucesso televisivo aconteceu em "Redenção", a mais longa novela de todos os tempos, montada pela TV Excelsior. Maria Aparecida Baxter interpretava uma "fofoqueira Marocas", fazia intrigas com todo mundo, por isso era odiada. Mas era também adorada pelos fãs, que aguardavam sempre ansiosos a aparição de Marocas. Foi retumbante, o sucesso alcançou o Brasil inteiro e Aparecida Baxter viajou por vários estados, sempre muito bem recebida, com honras e homenagens. Participou de outras novelas: "Legião dos esquecidos", "Dom Camilo", isso já na TV Tupi. Virou empresária, montou uma escola de teatro.

 

Era considerada uma pessoa destemida, e por isso, por várias vezes, fez solicitações ao Presidente da República, representando a classe artística. Por mais de 10 anos foi presidente da Comunidade Domitila, bairro onde morava em São Paulo, e para a comunidade conseguiu muita coisa como por exemplo: ginásio, escola, creche e hospital. Maria Aparecida Baxter faleceu em 12 de setembro de 1999. Buscou-se saber se aconteceria alguma homenagem pela passagem de seu centenário, mas as respostas sempre foram "não temos condições".

[Francisco Martins / Museu da TV Brasileira [Vida Alves].

 

EDITORIAS:
link da notíciaBy Equipe formasemeios, às 22:58  comentar


Julho 2018
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


SITES INDICADOS
Buscar
 
blogs SAPO